notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
30.3.09
RECIFE - A mãe da menina de 9 anos que engravidou após ser estuprada pelo padrasto , em Alagoinha, a 227 quilômetros de Recife, em Pernambuco, foi indiciada pela polícia na quinta-feira por negligência. O delegado Antônio Luís Dutra, responsável pelo caso, disse que Esmeralda Aparecida foi omissa. O padrasto também abusou de outra filha dela, de 14 anos, que tem deficiência mental. Para o delegado, seria impossível que a mãe não visse marcas nos corpos das meninas durante o banho. Aparecida disse que não sabia dos abusos.
- Ele tratava ela sempre muito bem, eu não ia achar que era por mal - disse a mãe à polícia.
O acusado, Jaílton José da Silva de 23 anos, foi detido quando tentava fugir para a Bahia. Ele está preso na cidade de Pesqueira e foi indiciado pelo abuso das menores.
A gravidez só foi descoberta depois que a criança se queixou de dores e foi levada pela mãe à Casa de Saúde São José, no dia 25 de fevereiro.
A menina só teria contado sobre os abusos depois da descoberta da gravidez por conta das dores. Ela contou à polícia que sofria violência sexual desde os 6 anos.
A menina realizou aborto no último dia 4 de março na Maternidade Cisam, vinculada à Universidade de Pernambuco, no Recife. O diretor médico Sérgio Cabral lembrou que o aborto em casos de estupro e risco de vida da mãe é legal .
- O risco maior seria ela de ela continuar essa gravidez. Uma criança de 9 anos não tem ainda seus órgãos formados - disse o médico na ocasião.
A Igreja Católica, que tentou impedir o aborto e ameaçou ir à Justiça, lamentou que o procedimento tenha sido realizado.
- Nós, ministros da Igreja Católica, temos obrigação de proclamar as lei de Deus. Nesses casos, os fins não justificam os meios e a lei humana contraria a lei de Deus, que é contra a morte - disse o arcebispo de Olinda e Recife Dom José Cardoso Sobrinho
Depois, o arcebispo excomungou todos os envolvidos no caso, menos o estuprador.
Mãe e filhas estão em um abrigo, e as meninas têm recebido acompanhamento psicológico. A mãe só deverá ser informada de que foi indiciada nesta semana, depois que advogados analisarem o caso.


link do postPor anjoseguerreiros, às 09:54 

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Março 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9





arquivos
subscrever feeds
blogs SAPO