notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
15.6.09
Corumbá – Os registros de casos de violência sexual contra crianças e adolescentes aumentaram nesses primeiros cinco meses de 2009. Foram 17 registros que estão sendo investigados pela Delegacia de Atendimento à Infância e Juventude (Daiji). Todas as crianças são ouvidas pela psicóloga Nadja Chauvet, de 45 anos, que também presta serviços à Delegacia da Mulher. Ela ainda é requisitada pelos delegados do 1º Distrito Policial para acompanhar o depoimento de crianças e adolescentes acusados por crimes e atende casos de violência contra a mulher.
“Pais e crianças estão confiando mais no trabalho da polícia e nos procurando para relatar casos de estupro ou tentativas de agressão sexual em família, porque quando as vítimas são crianças o agressor na maioria das vezes está bem próximo, é um padrasto, um tio, um enteado”, afirmou a psicóloga ao Diário.
“Ainda vivemos resquícios da ditadura, quando vigorou a censura de informação e liberdade de expressão, e hoje tentamos estabelecer a cultura da paz, da educação e conscientização, para que os direitos de todos sejam respeitados. As pessoas estão perdendo o medo de falar a verdade, expor seus problemas, de denunciar. A própria criança agora está construindo outra ideia de família. Antes, era educada a não falar com estranhos, que eram indicados como perigosos. Hoje sabe que alguém da família também pode ser perigoso. As escolas têm sido ótimas parceiras da polícia. A internet ajudou a construir uma nova mentalidade, é uma coisa boa, mas também pode excitar, estimular maus costumes. Então estamos a procura do meio termo, do equilíbrio”, acrescentou. Veja os principais pontos da sua entrevista.
Impacto na saúde
“A desestrutura familiar é um dos fatores da violência. Mas existem fatores financeiros. A violência só existe porque temos de sobreviver, temos de resistir a todas as situações que a sociedade impõe. E essas pessoas que se envolvem com a violência são normalmente fragilizadas, não têm condição de vida saudável, às vezes enfrentam a desnutrição, e isso vai construindo uma situação violenta em torno da pessoa. No livro ‘O impacto da violência na Saúde’ há uma constatação de que a violência não é apenas um problema de Justiça, mas também de saúde, porque gera muita morte, muitos acidentes, lesões, provoca impactos violentos e prejuízos ao poder público. A violência é o terceiro indicador de morte no País. É assustador, porque além de provocar mortes, está matando muitos jovens.”

Jovem foi esquecido
“A bebida, a droga, a questão da lei infringida por eles, estamos em busca de uma solução para resolver isso. Como medida inicial sou favorável à redução da idade penal, até que sejam implantadas outras medidas fortalecedoras. O País custou a descobrir que o jovem é que estava sofrendo mais. Tínhamos políticas para crianças e para adultos, e durante muitos anos o adolescente e o jovem ficaram esquecidos. Um exemplo está na área de saúde, onde temos médicos para crianças e adultos, mas não temos médicos para adolescentes, para atender toda essa transição, essas mudanças. O adolescente passou a ser responsabilidade unicamente da família. E para quem não tem família…De quem é a responsabilidade? Passou a ser do Estado. Mas o Estado não está sabendo digerir isso.”

Gravidez de menores
“Os jovens hoje os mais agredidos, sofrem mais violência, porque não há uma diretriz para eles. Devemos encarar os jovens não como um problema, mas como uma solução para o País. Escolas em período integral podem fornecer limites e diretrizes que eles não encontram em casa. Os jovens se perdem porque a criminalidade gera dinheiro, liberdade, sexo à vontade, tudo parece ser mais vantajoso. Além de tudo, eles são manipulados. Todo mundo é educado para o bem ou para o mal. Eles podem ser educados para o mal, para o tráfico de drogas, para a bebida. Percebemos muito esse aspecto quando ocorre gestação entre menores. Elas se sentem com poder quando se relacionam com um traficante. Ocorre o fato de várias meninas engravidarem do mesmo homem. Elas entendem que assim têm o poder. Não tem família, não tem um lar, não tem dinheiro, não tem emprego, não tem escola, mas tem um filho. É uma questão de posse.”

Turismo e comércio sexual
“Trabalhamos com desencadeadores de problemas. Por que a prostituição e o índice de violência estão aumentando em Corumbá? O fator social é muito grave. Para muitas meninas é mais fácil se prostituir do que trabalhar. Quando fiz uma pesquisa de prostituição em Corumbá existia o fantasma do turismo. Todo mundo dizia que aqui a prostituição era grande por causa do turismo. Mas essa tese caiu por terra. O turismo não aumenta a prostituição. O turista procura as boates, casas fechadas. A prostituição ocorre o ano inteiro, é formada por meninas daqui mesmo, elas não vêm de fora. A prostituição em Corumbá é muito grande, não só de solteiras, como de casadas. Elas não têm mais referência em casa, não querem estudar. Por isso é ótima a proposta de escola integral.”

Responsabilidade familiar
“Acredito que as pessoas menos favorecidas não recebem influência de internet e televisão. Na verdade, o que ocorre é a ociosidade mesmo, falta do que fazer. A maioria dos meninos está sem estudar, sem o primeiro grau completo. O maior exemplo foi o crime cometido por um menino de 16 anos (homicídio qualificado, domingo, 7 de junho, em Corumbá). Ele já tinha passagem pela polícia no interior, por causa de roubo de carro. Tem a quinta série incompleta. Nesse caso, a família não tinha nenhuma responsabilidade sobre ele. Penso que uma família nessa situação, que não deu condições para a criança crescer com integridade, não deve ter nenhum benefício social. Posso ser radical demais, mas quem deveria ter benefícios do governo seriam só famílias que produzem crianças de bem, com cultura para o País.”

Estuprador próximo
“De acordo com nossos indicadores, nos casos de estupro geralmente os causadores são pessoas próximas das crianças. Não é um estranho. Até bem pouco tempo, a criança era educada a ter medo do estranho, do bêbado, do mal vestido. Esqueceram de alertar que o próximo também podia agredir. A criança confiava cegamente nas pessoas próximas, no padrasto, enteado, primo, tio. Além disso, quem estupra gera medo, ameaça tirar o que a criança mais ama – teve um que ameaçava cortar a cabeça da avó da vítima. No caso de vítimas adultos, ocorre pela facilitação e o estupro quase sempre é ocasionado por estranhos. Na verdade, o estupro é quase sempre presumido. Antes dos 14 anos qualquer pessoa que passou por ato sexual é presumidamente vítima de estupro, mas às vezes nem se trata mesmo de estupro. A vítima e o autor não consideram estupro, às vezes são namorados, a família permite. Mas a lei entende que é estupro e por isso têm de ser indiciados.”

Bebê por droga
“Já recebi uma oferta de uma presidiária, traficante, usuária de crack, que me deixou chocada. Ela queria me dar sua filha, um bebê de nove meses, em troca de duas pedras de crack. Foi uma paciente que atendi dentro do presídio feminino. Ela não tinha mais nada para me oferecer e me ofereceu o bebê dela. Depois, quando a menina estava com um ano e pouco, já não convivia mais com ela no presídio, a mãe dela descobriu que ela tentava de novo trocar a criança por droga. Perdeu a noção completamente, perdeu o afeto familiar, não tinha mais vínculo com a criança. É questão de consciência. Precisamos trabalhar essa questão de identidade dentro da escola, com meninos e meninas, para que casos como esses não ocorram, para tentar construir um País melhor.”

Nelson Urt


Midiamax News
link do postPor anjoseguerreiros, às 17:50 

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Junho 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9





arquivos
subscrever feeds
blogs SAPO