notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
25.5.09

Um bebê de sete meses morreu depois de ser atingido por um pedaço de madeira na cabeça, na tarde de sábado (22), no bairro do Alto do Bonitinho, em Cabrobó, município do Sertão pernambucano. A menina Ávila Nayara Santos do Nascimento teria sido morta sem querer pelo tio materno, o borracheiro Diego dos Santos, 20 anos, durante uma discussão com os pais da criança. O bebê teve traumatismo craniano e morreu cinco horas depois do crime.Ao ver o que tinha feito, o borracheiro tentou fugir, mas terminou preso por policiais civis e militares de Cabrobó, já na rodoviária da cidade, tentando embarcar em um ônibus. Autuado em flagrante por homicídio doloso, encontra-se preso na cadeia pública do município. Segundo os policiais, ele responderá pelo dolo eventual, já que, embora não tenha tido a intenção de matar a sobrinha, assumiu as consequências do ato ao arremessar o pedaço de madeira contra os pais da menina, atingido-a.Ávila Nayara Santos do Nascimento estava no colo da mãe, Mauricélia Santos Alves, 23, e desmaiou na hora. Imediatamente, foi levada para o Hospital Municipal de Cabrobó, mas por falta de equipamentos adequados para o tipo de atendimendo, teve que ser transferida para Petrolina, também no Sertão. O bebê conseguiu sobreviver até as 18h, aproximadamente, falecendo em seguida, depois de passar por duas unidades de saúde da cidade, entre elas o Instituto Materno Infantil de Pernambuco (Imip).Segundo os policiais da Delegacia de Cabrobó, o borracheiro Diego dos Santos estava bêbado, quando começou a discutir com os pais da menina, principalmente com o pai dela, Cosmo Pedro do Nascimento, 27, que é deficiente visual. “Quando os dois estavam saindo da casa, o acusado pegou o pedaço de madeira e arremessou para atingir o cunhado, mas pegou foi na criança. Não sabemos o motivo da briga, apenas que eles estavam discutindo muito”, afirmou um policial de Cabrobó, que não quis ter o nome divulgado.Os pais de Ávila Nayara estavam desesperados com a morte da filha. O pai, por não enxergar, era o mais inconformado, segundo a polícia, porque não conseguiu defender a menina. O acusado do crime também estaria sofrendo com o fato de ter matado a sobrinha. “Temos pena, lógico, mas ele deveria ter pensado antes de fazer o que fez”, afirmou o policial. O bebê foi sepultado em Cabrobó.

Jornal do Comércio - Pernambuco
link do postPor anjoseguerreiros, às 09:55  comentar

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Maio 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9






arquivos
blogs SAPO