notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
9.3.09
Luana Cleci nasceu com 56 centímetros, em Alecrim (RS), nesta quinta (5).Ela foi transferida para a UTI da Santa Casa de Porto Alegre.

Uma menina de 6,1 quilos e 56 centímetros nasceu na tarde desta quinta-feira (5), no Hospital de Caridade de Alecrim, cidade gaúcha de mesmo nome e que fica na fronteira do Brasil com a Argentina. Luana Cleci Lichkoviski foi transferida para um hospital em Santa Rosa (RS) no mesmo dia. Neste domingo (8), o bebê foi levado para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da Santa Casa de Porto Alegre, onde segue internado, segundo a Secretaria Municipal de Saúde de Alecrim.
A secretaria informou ainda que a mãe já recebeu alta médica e está em casa, na zona rural de Alecrim. Ela deve ser levada para Porto Alegre nesta quarta-feira (11), quando deve começar a amamentar a filha.
De acordo com Jorge Leandro Krechowiecki, secretário de Saúde de Alecrim, a criança passa bem, mas apresenta uma pequena cardiopatia em decorrência do peso acima do normal. "Ainda não temos um retorno técnico da Santa Casa de Porto Alegre, mas o quadro de saúde do bebê é estável e só está internado para acompanhamento. A menina irá para casa assim que estiverA mãe, a agricultora Maria da Cruz da Silva, 40 anos, tem outros cinco filhos. "Todos foram de parto normal. Apenas neste caso, após a ecografia realizada três dias antes do parto é que foi descoberto o tamanho do bebê", disse Jorge Leandro. mais forte e respirando melhor".

Mandioca
O médico que realizou o parto, Paulo Dorneles, disse ao G1 que a alimentação da mãe pode ter relação com o tamanho da criança. "As pessoas comem muito amido, muita batata e mandioca aqui na região. Isso poderia ser um fator para a criança crescer um pouquinho, mas não explicaria esse tamanho todo".
Ele disse ainda que a ecografia indicou 40 semanas de gestação, mas a previsão do parto era para o dia 20 deste mês. "Por isso ela foi transferida para Santa Rosa e depois para Porto Alegre. Era necessária uma avaliação mais detalhada para saber se o bebê tem problema respiratório ou cardíaco"
Outra suspeita para justificar o tamanho da criança seria a diabete gestacional da mãe, mas a hipótese foi descartada, segundo Dorneles.

fonte:G1
link do postPor anjoseguerreiros, às 17:08  comentar

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Março 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9





arquivos
blogs SAPO