notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
25.5.09
Pesquisa mostra que há 50 mortes para cada 100 mil mulheres, superando média nacional

Rio - Terceira neoplasia mais comum entre as mulheres, o câncer de colo de útero levou a óbito mais 1,5 mil pacientes na cidade do Rio de Janeiro, de 1999 a 2006. Além disso, o município apresenta a taxa de 50 óbitos para cada 100 mil mulheres. O índice supera a média nacional (11 para cada 100 mil) e a de estados como São Paulo (8,7/ 100mil). Os dados são da tese de mestrado Mortalidade por câncer de colo de útero no Município do Rio de Janeiro, 1999 a 2006, da Escola Nacional de Saúde Pública, da Fiocruz.
O objetivo, segundo a pesquisadora Karina Cardoso Meira, foi descrever o perfil das mulheres que morreram por câncer de colo de útero entre 1999 e 2006, no Rio. Karina relacionou os óbitos com fatores socioeconomicos e com o bairro onde moravam as pacientes. A faixa etária estudada foi de 20 a 70 anos e foram usados dados do sistema de Informação de Mortalidade do Ministério da Saúde e informações da Secretaria de Saúde do Rio.
Com 121 mortes a cada 100 mil mulheres, a Cidade de Deus registrou maior taxa de óbito, seguido de Ramos (103 / 100mil) e Centro (100 / 100mil). Com os menores índices da cidade, estão Lagoa (20,6 / 100mil) e Maré (12/100mil) e Copacabana, com 3/100 mil.
Segundo a pesquisa, o perfil que registrou mais óbitos foi o de mulheres brancas, com mais de 60 anos, sem companheiro e até três anos de estudo. “As taxas encontradas sinalizam problemas nas políticas públicas de saúde para prevenir mortes por esta neoplasia. Muitas mulheres com esse diagnóstico nunca realizaram o exame preventivo”, justifica a pesquisadora Karina.
O ginecologista chefe do Hospital São Vicente de Paulo, Marco Antonio Gouvea Vieira alerta que os principais sintomas são sangramento fora da menstruação e após a relação sexual, dor na relação e mau odor na região genital. “O preventivo é a maneira mais rápida e barata de diagnosticar. Deve ser feito a partir dos 18 anos ou no início da vida sexual. É fundamental tratar no início para evitar o agravamento
Consciente da importância do exame, a técnica em radiologia Neuza Nunes da Silva, de 27 anos, realiza o exame a cada seis meses. “É muito importante. Detecta doenças. Sou fiel às consultas”, garante

CUIDADOS

Como evitar a doença

Manter higiene da área genital
Evitar múltiplos parceiros
Realizar exames de rotina, principalmente o preventivo

Óbitos e novos casos
No período 1999-2006, ocorreram 2.752 óbitos em mulheres residentes no município do Rio de Janeiro por câncer de útero, sendo que 56,5% foram por câncer de colo de útero, 20,0% por câncer de corpo de útero e 23,5% por câncer de útero porção não especificado
Para 2009, são esperados 18.6880 novos casos de câncer de colo de útero, segundo estimativas do Instituto Nacional do Câncer.

EXAMES

Posto de R. das Pedras — Estr. de JPA - R. Nova, 5.011
Fernando Antônio Braga Lopes.R. Carlos Seidl, 1.388 - Caju
José Breves dos Santos. R. Mar Grande, 10 - Cordovil
PAM de Botafogo. Rua Voluntários da Pátria, 136


O DIA ONLINE
link do postPor anjoseguerreiros, às 12:20  comentar

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Maio 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9






arquivos
blogs SAPO