notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
18.6.09

A estudante Maísla Mariano dos Santos, 11, foi espancada, seviciada, esfaqueada e esquartejada. Essa é a conclusão da delegada Adriana Shirley Caldas, responsável pela investigação do crime, ocorrido na tarde de 12 de maio passado na zona Norte de Natal, após analisar os laudos do Instituto Técnico Científico de Polícia (Itep). “Foi um ritual de dor vivido por Maisla”, revelou, ontem, a delegada.
Os laudos, anexados aos dois volumes do Inquérito Policial nº 033/2009-DCA, não incriminam o ambulante Osvaldo Pereira de Aguiar. Os peritos não encontraram vestígios no corpo de Maisla – como saliva, sêmen ou qualquer outro material identificador do contato dele com a vítima -, mas o delegado-geral de Polícia Civil, Elias Nobre de Almeida Neto, foi categórico ao dizer que “há provas suficientes para indiciá-lo”. Osvaldo foi indiciado por homicídio duplamente qualificado e atentado violento ao pudor. “Estamos estudando a possibilidade de indiciá-lo por vilipêndio a cadáver ou ocultação do corpo”, acrescentou a delegada Shirley .
O laudo necroscópico – assinado pelo legista Carlos Jatobá – mostra uma análise minuciosa do corpo da estudante e se concentra no número de ferimentos encontrados. “Ela sofreu múltiplas lesões decorrentes de ferimentos perfuro-cortantes (facadas), equimose (hematomas) e fraturas (nos ossos)”, disse a delegada. Foram apontadas 26 perfurações no corpo da menina, a maioria delas no tórax e abdômen, do lado direito. “Essas perfurações provocaram hemorragia interna, que pode ser a causa mais provável para a morte”.
O osso da face e alguns dentes da garota estavam quebrados. A violência contra a garota ainda resultou na quebra do maxilar e perfuração na orelha direita. “Ela foi muito maltratada”, resumiu a delegada, acrescentando que não chegou a ser decetada, na região genital, marca de penetração. “Foi verificada uma equimose compatível com ato libidinoso praticado ou com uma mão ou com algum outro objeto”, comentou.
A titular da Delegacia Especializada em Defesa da Criança e do Adolescente (DCA) declarou que os exames realizados no Instituto Médico Legal (IML) de Salvador foram feitos para comprovar se o material coletado era da estudante e se havia compatibilidade com o material de Osvaldo. “Não foi encontrado espermatozóide nem na vagina nem no ânus, o que descarta a hipótese de estupro”, afirmou. “Houve outros atos libidinosos, semelhantes aos que ele é acusado por crimes no Norte do País”. O laudo mostra que o corpo da garota foi lavado pelo criminoso após o esquartejamento.
Ainda de acordo com o laudo necroscópico, para o esquartejamento de Maisla foi utilizada mais de um instrumento. “Alguns ossos foram cortados com um objeto com formato de serra e há marcas de instrumentos de força como cutelo, machado ou facão. Além disso, há chance dele ter usado as mãos para quebrar os ossos”, disse a delegada.
Mesmo com depoimentos e laudos, que somam mais de 200 páginas de inquérito, a delegada Adriana Shirley avisou que outros documentos foram solicitados. “A investigação não terminou. Pedi exames nas roupas de Osvaldo, numa bolsa de mercadorias dele e na bicicleta de Maisla”, concluiu.

Perícia aponta provável hora da morte da estudante
Os laudos do Itep apontam que a estudante foi morta entre 18 a 24 horas antes de serem feitas as primeiras perícias em partes do corpo da estudante encontrados em um terreno baldio na rua Izabel de Brito Lima, paralela à avenida Tomáz Landim, em Igapó.
A delegada acredita que o crime ocorreu entre às 13 e as 17 horas de 12 de maio, data em que Maisla desapareceu após sair de casa e ir ao local onde seu pai trabalhava consertando relógios.
Para Adriana Shirley, Osvaldo abordou Maisla por volta das 12h40 quando a garota voltava para casa. “Ele a encontrou na esquina da rua Carlos Gomes com a rua Aurora, perto do posto de saúde”, disse. “Nesse local, foi encontrada a sacola com garfos plásticos que ela (Maisla) comprou para sua festinha”, completou.
Questionada se Maisla teria reagido à abordagem de Osvaldo, a titular da DCA trabalha com duas hipóteses. “Ele pode ter dito que iria consertar a bicicleta dela, que estava com problema na corrente, ou então disse que ia entregar os R$ 2 referentes à contribuição para a festa de Maisla e a levou para a casa dele”, comentou.
A partir desse momento, segundo Shirley, começou o “ritual de dor” vivido pela estudante durante a tarde daquele dia. “Naquela região, a maioria dos comércios fecha naquele horário”, disse.
A delegada não descarta a hipótese de realizar uma reprodução simulada dos fatos (reconstituição). “Nesse momento, acho muito arriscado devido à comoção desse caso. Contudo, pretendo saber o trajeto de Osvaldo naquele dia”, disse.
Ela afirmou que vai solicitar o cronograma para estabelecer o percurso feito por Osvaldo, tendo por base a distância percorrida e o tempo gasto pelo ambulante no dia do crime.

Exame do luminol na casa do acusado chama atenção
Dentre os exames realizados pela polícia nas investigações do assassinato da estudante Maisla Mariano, um deles chamou a atenção: o luminol. Esse produto químico foi utilizado em alguns cômodos da casa de Osvaldo. Segundo a delegada Adriana Shirley, o luminol detectou vestígios de material no banheiro, paredes, piso e nas pias do banheiro e da cozinha. “A substância reagiu por quase uma hora”, lembra.
O delegado-geral Elias Nobre comentou que “ele pode ter esquartejado a menina no piso do banheiro ou na sala da casa. “É mais provável que isso tenha acontecido no banheiro pela facilidade em escoar o sangue do corpo”, argumentou.
Ainda dentro da casa, os policiais encontraram um colchão de Osvaldo com algumas partes rasgadas e a espuma retirada. “Só podia ter algo muito grave para ele tirar aquele pedaço de lá”, declarou mostrando fotos do colchão no laudo nº 01.0576/09. Osvaldo virou o colchão na cama de modo que a parte rasgada ficasse voltada para baixo e não fosse percebida. “Osvaldo é astuto, inteligente e perigoso”, avisou.
A delegada disse que os peritos encontraram “um fragmento” dentro do colchão do suspeito. “Deve ter caído quando ele rasgou o colchão e um dos sacos tenha sido rasgado”. Ela lembra que no terreno em que encontraram as primeiras partes do corpo de Maisla foram achadas duas bermudas. “Osvaldo não as reconhece, mas a lavadeira sim”, declarou.

Osvaldo Pereira diz ser inocente
Detido há mais de um mês, o ambulante Osvaldo Pereira de Aguiar sustenta sua defesa que é inocente quanto à suspeita de ter matado e esquartejado a estudante Maisla Mariano dos Santos.
Com um discurso articulado e não demonstrando qualquer sentimento, Osvaldo nega em todas as vezes que foi interrogado pela delegada Adriana Shirley ou entrevistado pela imprensa a morte da estudante.
Na terça-feira, véspera da coletiva, a delegada Adriana Shirley esteve mais uma vez com o suspeito do crime. Agora, a titular da DCA contou a Osvaldo algumas informações contidas nos laudos emitidos pelo Itep.
De acordo com a delegada, o suspeito agora alega que “é vítima de uma sabotagem, de um complô”, mas em momento algum conta à delegada quem estaria com o propósito de prejudicá-lo.
Em alguns momentos da investigação, Osvaldo chegou ao ponto de dizer à polícia que era inocente e esperava que as autoridades da Segurança pudessem encontrar quem realmente matou e esquartejou a estudante de 11 anos.
O comportamento de Osvaldo impressionou não só a responsável pela investigação como o delegado-geral e o promotor de Justiça Edevaldo Barbosa, que o classificou – em matéria da TN no dia 4 de junho – de “dissimulado e mentiroso”.

O suspeito permanece detido numa cela isolada na Penitenciária Estadual de Alcaçuz, em Nísia Floresta, e caso seja condenado pela Justiça, vai cumprir a pena no Rio Grande do Norte. “Sabemos que ele tem outros crimes, mas vai pagar aqui”, garantiu o delegado-geral Elias Nobre.

Bate-Papo
Adriana Shirley – Delegada

A senhora tinha alguma dúvida em apontar Osvaldo nesse crime?
Não. Ele (Osvaldo) tinha intenção inequívoca de matá-la por conta do ódio que tem pela mãe da menina.

O que mais chocou a senhora nesse crime brutal?
As lesões provocadas no rosto de Maisla foram as que mais chocaram.

Por quê?
Foi algo de extrema violência. Ela perdeu alguns dentes e teve a arcada dentária quebrada.


A senhora acredita que há outra pessoa envolvida no crime?Nesse momento da investigação e com o que apuramos de provas, esta possibilidade não existe.


Tribuna do Norte
link do postPor anjoseguerreiros, às 09:02 

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Junho 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9





arquivos
subscrever feeds
blogs SAPO