notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
26.4.09
O ganso de fronte-branca é um excelente exemplo de ave migratória. Acasala no noroeste da Rússia e na Sibéria durante o Verão e hiberna no oeste, centro e sudeste europeu

Traduzido por Artur Manuel Semedo Rodrigues de Melo
Serão as aves migratórias responsáveis pela propagação da gripe das aves? Devemos matar todas essas aves? Lucienne Niekoop e Froukje Rienks do Netherlands Institute of Ecology argumentam a necessidade de uma aproximação mais científica.
“Matem todas as aves migratórias.” Com esta afirmação controversa, o político russo Vladimir Zjirinovski provocou consternação geral em Janeiro de 2006, altura em que a gripe das aves se estava a propagar rapidamente. A questão principal é, no entanto, quais as aves que devem ser culpabilizadas. Ao considerar esta questão, a investigação ecológica pode desempenhar um papel chave na compreensão da gripe das aves.

Uma visão geral
Em meados de 2003, a eclosão da gripe das aves provocada pelo H5N1 teve início no sudeste asiático. Ainda hoje não se compreende totalmente como este vírus se propaga, mas para evitar uma pandemia é importante adoptar uma aproximação multidisciplinar. Os ecologistas do Netherlands Institute of Ecologyw1 estão a cooperar de forma estreita com os virologistas do Erasmus Medical Centre em Roterdãow2, Holanda, no sentido de perceber o papel desempenhado pelas aves migratórias na transmissão da gripe das aves.

Subtipos letais
Em primeiro lugar, recordemos alguns aspectos básicos da gripe das aves. Os vírus, pequenas unidades de RNA ou DNA revestidas por um invólucro proteico, podem ocorrer numa grande diversidade de formas. A gripe é provocada pelo vírus influenza, que se apresenta em três tipos: A, B e C, podendo todos infectar a espécie humana. A gripe das aves (influenza aviária) é provocada pelo vírus influenza A, que tem as aves como reservatório.
Existem vários subtipos de influenza A. O vírus perigoso que se está actualmente a propagar, possui o nome de código H5N1, que deriva das proteínas existentes no revestimento do vírus. H5 deve-se à proteína hemaglutinina tipo 5 (existem 16 tipos no total). Neuraminidase é o nome completo da proteína N, que se apresenta em nove variantes. Diferentes combinações das proteínas superficiais do tipo H e N resultam num grande número de subtipos do vírus. Os subtipos podem ser inofensivos, sendo, neste caso, conhecidos como vírus LPAI (low pathogenic avian influenza). Os subtipos perigosos ou letais são classificados como vírus HPAI (highly pathogenic avian influenza).

Milhões de aves migram anualmente, mas estarão elas a disseminar a gripe das aves? Milhões de caminhões circulam pelas estradas de todo o mundo transportando aves de criação…


link do postPor anjoseguerreiros, às 12:30 

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Abril 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9





arquivos
subscrever feeds
blogs SAPO