notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
20.5.09
O Instituto Estadual do Ambiente (Inea) definiu o vazamento de endosulfan das dependências da Servatis como o pior acidente da história do Rio Paraíba do Sul. Numa conversa informal, a gerente de qualidade ambiental do órgão, Fátima Soares, diz que vários elementos mostram a gravidade da tragédia. O primeiro deles é o tamanho do vazamento: o cálculo atual é de 18 mil litros, 10 mil a mais do que o anunciado pela imprensa. E a primeira informação da empresa, negligente, era de apenas mil litros. Outro indício de gravidade é que, apesar de ser uma época de chuvas, alguns reservatórios do Paraíba tiveram de fazer a descarga completa de água, para diluir o veneno. O volume de peixes mortes também é assombroso: mais de 300 toneladas. Só no forno da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) foram queimadas 75 toneladas.
- Foi um acidente extremamente grave. Várias matrizes de espécies de peixe terão simplesmente que ser reintroduzidas no rio. Houve uma ruptura monstruosa na ictiofauna. Como a empresa não avisou imediatamente do acidente, alguns municípios chegaram a fazer captação de água contaminada para abastecimento, mas em valores abaixo do limite tolerado. Sorte.
Os técnicos do Inea ficaram surpresos com a pouca atenção que a imprensa deu ao caso. Pelo menos dois fatores contribuíram para o esvaziamento da pauta nas redações: 1) o fato de o endosulfan, pesticida altamente tóxico, não aparecer destacado na água do rio. Com isso, não foi possível visualizar a onda de contaminação. 2) o anúncio inicial de um pequeno vazamento, de apenas mil litros do veneno. Fica a lição para os jornalistas: a omissão da real dimensão do vazamento não é uma prática exclusiva da Servatis. Outras empresas já fizeram isso. E, provavelmente, outras farão.
O Inea considerou o caso Servatis mais grave que outros grandes acidentes da história. Nos anos 80, ocorreram dois grandes vazamentos de metal pesado na Paraibuna Metais, no Rio Paraibuna, afluente do Paraíba. Na mesma década, um vazamento de ascarel da Thyssen afundou ainda mais o rio. Em 2003, houve o caso Cataguazes, talvez a mais visível das tragédias da região. Uma onda negra de material tóxico desceu o Pomba, entrou no Paraíba e avançou pelo mar. Nos anos posteriores, segundo o Inea, ainda houve mais dois vazamentos, na Mineradora Rio Pomba.


Blog Verde
tags:
link do postPor anjoseguerreiros, às 08:14 

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Maio 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9






arquivos
subscrever feeds
blogs SAPO