notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
26.6.09

O dia 26 de junho é considerado o “Dia Internacional Contra o Uso e Tráfico de Drogas”. Um dia que reflete as ações e iniciativas que buscam abordagens sobre o grande drama social da atualidade. O cenário é pintado com cores sombrias, onde jovens vivem aprisionados no hábito de tentarem controlar os problemas diários, com uma fuga da realidade através do uso de entorpecentes.

Enquanto isso, as falanges estão nas ruas, fazendo a distribuição e recebendo os usuários ávidos por uma 'pedra” ou “pó”. Por trás, uma verdadeira federação, monitora tudo.

As Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), o Comando Vermelho no Rio de Janeiro e seu parceiro paulista, o PCC (Primeiro Comando da Capital) representam esse espécie de federação.
A 'profissionalização” da venda de drogas nas cidades em todo o mundo dividiu a sociedade entre o mundo “do bem” e o da “do mal”.
Verdadeiros exércitos dos 'ilegais', maiores do que os de muitos países, comandam o cultivo e a distribuição, com uma organização assombrosa onde existe hierarquia, funções, educação para o crime, participação política, e prestação de serviços às comunidades, preenchendo lacunas onde deviam estar atuando as autoridades governamentais.

Com o grande volume de dinheiro do tráfico, a forma ideal para legalizá-lo são os investimentos em atividades diversas, como a compra de supermercados, lojas de carros, hotéis, bingos, redes de farmácias, sítios, fazendas, etc. Um esquema descoberto recentemente, revelou que proprietários de casas lotéricas ou funcionários de altos escalões da vida pública (muitos deputados) compravam os bilhetes premiados dos ganhadores. Esse era uma forma de justificar seus enormes patrimônios.


Drogas no passado
O Brasil só começou a prestar atenção na questão das drogas a partir do início do século XX, quando o estado implantou as primeiras medidas de controle. Até aí, o consumo e venda, que era comum em casas de prostituição, era tolerado. Esses zonas de meretrício eram frequentadas por jovens, filhos de famílias da classe média.

Era até então um vício apenas dos “filhinhos de papai”, que imitavam os astros milionários do cinema americano com suas extravagâncias e hábitos pouco convencionais Com o tempo, a droga começou a ganhar as ruas e passou a ser comum também nas classes mais baixas, inclusive naquelas que o governo considerava como “belicosa”, que era entre negros, pobres e imigrantes.

O controle sobre o ópio e cocaína começou após a reunião de 1911 em Haia (Holanda). Mas foi somente uma década depois que surgiria no Brasil a primeira lei de restrição ao uso de drogas, entre elas, ópio, morfina, cocaína e heroína.

Pode-se dizer que a droga já foi um elemento de união e agregação das tribos. Místicos e grupos religiosos faziam o uso de certas elementos alucinógenos com o propósito de atingir outros níveis de consciência. Atualmente, no entanto, essa prática virou para a alienação e o vício tem levado as famílias à desagregação.

Drogas no cotidiano
A cocaína era usada no passado em forma de pasta como forma de cura terapêutica, sendo vendida livremente nas farmácias. A maconha passou a ser proibida na década de 30 e causou as primeiras prisões no Rio de Janeiro a partir de 1933. Também a morfina é outra droga voltada para o uso nas atividades médicas como um narcótico de combate à dor..Por sua vez, os chamados psicotrópicos são drogas que afetam diretamente o Sistema Nervoso Central alterando as atividades psíquicas do usuário.É considerada droga toda aquela substância, seja ela natural ou sintética que altera o metabolismo do corpo organismo humano e muda suas funções. Podem ser divididas em três categorias: estimulantes, depressores e perturbadores.Assim sendo, são tidos como drogas, o café que tem cafeína; o tabaco por causa da nicotina; a papoula de onde se extrai o ópio; e maconha que tem o elemento THC (substância tetrahidrocanabiol). Envolve até mesmo os analgésicos e remédios para fazer dormir como os tranquilizantes. Assim como o cigarro, o álcool também é considerado droga Alem disso existem as drogas sintéticas que são aquelas fabricadas em laboratórios. De forma geral, alteram o indivíduo, afetando o seu humor, sensações corpóreas, perturbações no nível de consciência, cognição, percepção, afeto e comportamento.



AgoraVale
link do postPor anjoseguerreiros, às 21:22 

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Junho 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9





arquivos
subscrever feeds
blogs SAPO