notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
10.6.09
BELO HORIZONTE - A menina Dyeniffer Aparecida Costa dos Santos, 12 anos, foi morta num ritual de magia negra feito para beneficiar o marido de Efigênia Guimarães Pena Balbinos, vizinha da família da vítima, em Uberlândia, no Triângulo Mineiro. De acordo com o Ministério Público de Minas Gerais, o sogro de Efigênia, Luismar Balbino, e a cunhada dela, Ariana Vera Medeiros Silva, também participaram do crime. Os três foram denunciados na terça-feira por homicídio doloso triplamente qualificado, formação de quadrilha, ocultação de cadáver e sequestro de incapaz, já que um bebê de seis meses, sobrinho da vítima também foi usado no ritual.
- Eles golpearam a criança no pescoço e usaram o sangue dela para banhar o bebê. O objetivo, segundo os acusados, era transferir os males do marido de Efigênia, que está preso, para o bebê - contou o promotor Sylvio Fausto de Oliveira Neto, responsável pelo caso.
Segundo o promotor, para finalizar o ritual, os acusados esquartejaram a vítima e abandonaram as partes do corpo em pontos diferentes da cidade.
- O bebê foi poupado exatamente porque deveria carregar os males do suposto beneficiário, o marido de Efigênia. Ele foi abandonado em outro ponto da cidade, já limpo e com a cabeça completamente raspada - contou o promotor.
A polícia chegou aos acusados porque câmeras de vigilância gravaram o momento em que Efigênia descartou partes do corpo de Dyeniffer em uma caçamba na rodoviária de Uberlândia. Outras partes foram deixadas em um aterro. Segundo o Ministério Público, o filho de Efigênia, de 15 anos, e outras pessoas ainda não identificadas também participaram do crime.
- O menino foi encaminhado para a Vara da Infância e Juventude. Como era amigo de Dyeniffer, foi ele quem ajudou a atrair a vítima. Mas os acusados se recusam a informar a identidade dos outros envolvidos - diz o promotor, que pediu a pena máxima, de 30 anos, para os três.
Caso não haja recursos da defesa, o Ministério Público estima que o julgamento dos três, por júri popular, deve ocorrer até o final deste ano. A arma do crime não foi encontrada, e o promotor aguarda um laudo pericial que deve confirmar que a vítima foi morta na casa de Efigênia.
Dyeniffer (grafia correta do nome da vítima, que inicialmente foi identificada como Jeniffer) e o sobrinho dela, de seis meses, desapareceram da porta de casa em Uberlândia no dia 2 de maio. O bebê foi encontrado no dia seguinte. Na madrugada do dia 6, Efigênia foi presa.
- Apesar da prisão e da denúncia, as investigações ainda estão em andamento para definir como exatamente a menina foi morta e quem são os demais envolvidos - afirma o promotor Sylvio Fausto Oliveira Neto.
O advogado de Efigênia preferiu não se manifestar por não ter conhecimento do teor da denúncia. O advogado de Luismar Balbino disse que só vai falar sobre o assunto depois que o juiz receber a denúncia. O advogado da Ariana Medeiros Silva não foi encontrado para falar sobre o assunto. O filho de 15 anos de Efigênia está desde a sexta-feira em um abrigo para menores. Ele não foi denunciado. O envolvimento dele no crime será acompanhado pela Vara da Infância e Juventude.



O Globo On Line
link do postPor anjoseguerreiros, às 17:14 

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Junho 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9





arquivos
subscrever feeds
blogs SAPO