notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
17.3.09
RIO - Depois de 24 anos presa em um porão de 60 metros quadrados, sem luz nem ventilação natural, onde era frequentemente estuprada pelo próprio pai, Elisabeth Fritzl finalmente depôs na Justiça austríaca sobre os abusos a que foi submetida, nesta terça-feira. Poupada de ficar cara-a-cara com seu agressor, ela gravou um vídeo de 11 horas de duração em que conta, em detalhes, os horrores vividos nos 8.461 dias de cativeiro. Devido ao conteúdo muito pessoal do depoimento, as portas do tribunal de Sankt Pölten permaneceram fechadas para todos, com exceção das agências austríacas APA e ORF, que tiveram acesso à sala.
Elisabeth, hoje com 42 anos, conta na gravação como foi encarcerada pelo pai em agosto de 1984, quando tinha 18 anos. Fritzl atraiu a filha até o porão - que na época tinha apenas 20 metros quadrados, um lavabo, um banheiro e uma cozinha - a dopou e algemou. Em seguida, Elisabeth foi forçada a escrever à mãe dizendo que tinha entrado para uma seita e pedindo que não a procurassem. Ao longo dos anos, e após inúmeros estupros, ela teve sete filhos com o pai. Mas apenas três passaram a vida no porão com ela - um morreu ainda bebê e outros três foram criados pela avó, Rosemarie, e pelo pai-avô, que simulou o abandono das crianças na porta da casa da família.
De acordo com a promotora do caso, Christiane Burkheiser, as condições de vida da família eram precárias e, em alguns momentos, Elisabeth Fritzl precisou matar ratos com as prórpias mãos para defender os seus filhos.
- [A vida de Elisabeth] era um martírio inimaginável - disse. - Luz apagada, abusos sexuais; luz acesa, mofo.
Além de Josef Fritzl e seu advogado, oito jurados assistiram a partes do vídeo-depoimento gravado por Elisabeth. Também foi exibido o relato de um irmão da vítima - o único da família que aceitou depor no caso, também por meio de uma gravação. O resto da família que se negou a testemunhar.
Não foram divulgados detalhes sobre a reação do réu, de quem só se revelou que "acompanhou a exibição com toda a atenção e cuidado", respondendo às perguntas feitas.
Durante a exibição do vídeo, o júri popular, a promotora e a defesa de Fritzl interrogaram também um neonatologista sobre a suposta responsabilidade do réu na morte, em 1996, de um dos sete filhos que teve com Elisabeth. Baseando-se no testemunho da vítima, a Promotoria argumenta que Fritzl ignorou os pedidos da filha para que trouxesse ajuda médica para o recém-nascido devido aos problemas respiratórios que sofria. A acusação pode fazer com que Fritzl pegue prisão perpétua.
O depoimento de Elisabeth é essencial para o julgamento do austríaco, conhecido como "Monstro de Amstetten". Segundo um porta-voz judicial, o documento foi gravado por Elisabeth durante vários dias e a experiência foi "muito estressante para ela".
Na quarta-feira, está prevista a apresentação de um relatório psiquiátrico sobre o estado mental do acusado, aberta a um pequeno número de jornalistas. Também está previsto que dois peritos testemunhem sobre os sistemas de ventilação e acesso ao porão-prisão onde Elisabeth e seus filhos foram mantidos.
A sentença do aposentado de 73 anos deve ser divulgada nesta quinta-feira, para quando está previsto o anúncio do veredito de culpabilidade ou inocência. ele é acusado de assassinato, escravidão, estupro, cárcere privado, coação e incesto.

tags:
link do postPor anjoseguerreiros, às 18:58  comentar

De Anónimo a 19 de Março de 2009 às 15:56
a mãe nunca soube desse poão?

De Anónimo a 19 de Março de 2009 às 15:57
a mãe nunca soube desse porão na casa?

De Maria Célia a 19 de Março de 2009 às 16:38
Você lembrou bem esse detalhe!
Obrigada por sua visita
Maria Célia e Carmen

De Anónimo a 19 de Março de 2009 às 16:54
Esse desgraçado foi condenado a prisão perpétua em um hospital psiquiátrico.
Acho que lá tb não existe pena de morte.
Ser imundo, deveria ser jogado a mingua.
Ema anos e anos, a esposa nunca teve sequer acuriosidade de saber como era esse porão né?
A gente acredita ...........

De carmen a 19 de Março de 2009 às 20:00
Realmente condenar este monstro a viver em um sanatório não é nada perto do que ele fez................
obrigada por sua visita
carmen e maria celia

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Março 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9





arquivos
blogs SAPO