notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
23.3.09
SÃO PAULO - Quase um ano após a morte de Isabella Nardoni, 5 anos, o pai e a madrasta da menina, acusados pelo crime, são isolados até por seus companheiros de prisão. O casal está preso desde 7 de maio de 2008. O crime completa um ano no próximo domingo. Nesta terça, o Tribunal de Justiça (TJ) julga mais um recurso da defesa do casal, que pede a anulação da decisão que os mandou à júri popular. No presídio feminino de Tremembé, uma detenta proibiu a visita da filha de 6 anos depois que Anna Carolina Jatobá, acusada de esganar Isabella, lançou sobre ela um olhar.
- Eu trouxe minha neta para ver a mãe. Quando entramos, a Anna encarou a menina com cara esquisita. Ela viu a Isabella - disse a mãe da detenta.
E emendou:
- A menina é linda. Todo mundo fala que elas se parecem. A mãe ficou doida da vida, nem olha na cara da Anna.
Nos dias de visita, Anna Jatobá espera pelos pais na cela. O marido de uma presa diz que ela fica sozinha e começa a chorar quando os pais chegam.
- Parece que é meio forçado - disse ele.
Neste domingo, a mãe de Isabella, Ana Carolina de Oliveira, afirmou em entrevista ao Fantástico, da TV Globo, que pretende ter outro filho.
Alexandre Nardoni é conhecido pela sua tranquilidade e isolamento na cadeia. Segundo a mulher de um detento, ele é provocado pelos companheiros de cela. Quando alguma reportagem sobre o caso passa na TV, os presos provocam e xingam Nardoni. Ele nunca reage.
Próximo à cela de Nardoni está um preso acusado de pedofilia, apelidado de Lanchinho: ele oferecia sanduíches para que as crianças entrassem em seu carro.
- Os presos ficam dizendo para o Nardoni jogar o Lanchinho pela janela também. Ele olha e abaixa a cabeça.
Carcereiros contam que Nardoni não dá trabalho. Acorda no horário, cumpre os deveres sem reclamar.
- Fala pouco. Às vezes parece estar em outro mundo.
Isolados pelos presos, Alexandre e Anna Carolina continuam a receber apoio da família. Todos os dias de visita, seja sábado ou domingo, seus pais vão até Tremembé, a 135 km de São Paulo, para visitá-los.
Os pais de Alexandre, por exemplo, já estiveram 43 vezes na cidade para vê-lo na Penitenciária II.
Os pais de Anna Jatobá dificilmente mostram os rostos. Segundo vizinhos da cadeia feminina, a mãe sempre cobre a face e usa óculos escuros. O pai, Alexandre Jatobá, às vezes se expõe. Ontem, eles chegaram às 12h10 e entraram encapuzados, carregando duas sacolas de jumbo - comidas, bebidas e material de higiene pessoal. Ambos se recusaram a falar.
Já os Nardoni estão sempre com a cara limpa, carregando grandes sacolas com o jumbo do filho. O pai, o advogado Antônio Nardoni, puxa um carrinho para facilitar o transporte. Eles chegam cedo e são os últimos a sair. Ontem, não foi diferente. O advogado e sua mulher, Aparecida, entraram na cadeia por volta das 10h e ficaram até o fim do horário de visita, às 16h. E também não quiseram falar.
Isabella foi jogada pela janela do sexto andar do apartamento onde o pai vivia com Anna Jatobá e os dois filhos deles, na Vila Mazzei, Zona Norte da capital. Neste domingo, na chegada à prisão, a mãe de Alexandre foi questionada sobre a data da morte da neta por várias pessoas. Ela respondeu que o filho é inocente e revelou que ele não assiste aos programas de TV que abordam o caso. Depois, começou a chorar. Na saída, após ver o filho, parecia mais tranquila.

link do postPor anjoseguerreiros, às 10:24 

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Março 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9





arquivos
subscrever feeds
blogs SAPO