notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
6.6.09
Pesquisadores do Rio de Janeiro estão mapeando quais animais estão fora de seu lugar adequado na foresta. Um grupo da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) em parceria com o Instituto Biomas e Instituto Hórus apresentou na semana passada uma lista preliminar com 218 espécies exóticas e invasoras do estado. A partir dela, o próximo passo será avaliar cada espécie para ver o risco que elas representam para a Mata Atlântica. E, consequentemente, elaborar políticas públicas para lidar com isso.
De acordo com Helena de Godoy Bergallo, pesquisadora UERJ, as espécies exóticas - que são provenientes de outro lugar - e invasoras - que prejudicam um território que não seu habitat natural - são a segunda maior causa de extinção. Só perdem para o desmatamento. “É uma ameaça imperceptível para muitos. O leigo não percebe esse problema”, diz.
Mas como essas espécies foram parar no Estado do Rio de Janeiro? “Na época do descobrimento, os colonizadores queriam tornar o Brasil o mais familiar possível. Por isso trouxeram plantas ornamentais, alimentos e animais domésticos”, afirma Bergallo. Atualmente, ela acredita que o comércio global estimula essa transferência de maneira acidental ou intensional. Lastros de navio, marés, tráfico de fauna e cultivo agrícola são alguns “culpados”.
Em Niterói, foi introduzido o Mico-leão-de-cara-dourada (na foto acima) que é da Bahia. “Se ele se acasalar com o Mico-Leão-Dourado, esse sim nativo, este pode ser hibridizado”, diz a pesquisadora. Por sua vez, a Amendoeira, proveniente da costa da Índia e da Malásia, invade os ambientes de praia do estado.
“Essas espécies podem virar pragas”, afirma. Na Ilha Stephens, na Nova Zelândia, um faroleiro levou para o local seu gato de estimação. Sozinho, o bichano causou a extinção da espécie de pássaro Xenicus lyalli. “O gato doméstico é um dos dez piores predadores. O homem o alimenta e ele caça a fauna nativa, garantindo sua reprodução por muitos anos”, afirma Bergallo.
O que você pode fazer para preservar a Mata Atlântica das espécies invasoras ou exóticas:
Cachorros, gatos e pombos de rua não devem ser alimentados. Eles prejudicam a fauna e flora que existe nas cidades;No jardim, plante espécies nativas. Na dúvida, procure os órgãos públicos da cidade. Além de resguaradar o bioma, isso estimula o aumento dos animais naturais do local;Não alimente fauna. Por exemplo, constantemente visto no Rio de Janeiro e São Paulo, o sagui é proveniente do Nordeste. Ele come ovos de pássaros sendo danoso;Não compre animais exóticos, com exceção para os castrados e certificados pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama);Não jogue semente de frutas pela janela, principalmente em estradas. Nem sempre a espécie é endêmica (nativa) da região;Quem mora perto de parques, praças ou área verde em geral, deve manter os gatos de estimação dentro de casa. Ao entrar na mata, eles caçam os animais.

por alexmansur


Época
tags:
link do postPor anjoseguerreiros, às 07:52 

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Junho 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9





arquivos
subscrever feeds
blogs SAPO