notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
16.6.09
Pensava que morar no meio do gelo e longe de centros urbanos era monótono. Mas as notícias sobre o Ushuaia me mostram o oposto. A cidade conhecida mundialmente como “fim do mundo” é bem animada e não para de inventar modas. A última é resgatar rituais milenares para receber a noite mais longa do ano, em 21 de junho.
Com 60 mil habitantes, Ushuaia é a capital da Província da Terra do Fogo. É a cidade mais ao sul do planeta (a 3.450 km de Buenos Aires), o último pontinho do mapa da Argentina, porta de entrada para a Antártida. Nessa época, o sol nasce às dez horas da manhã e perto das cinco já é noite de novo. Faz muito frio. O prognóstico prevê zero grau centígrado para hoje, mas pode chegar a -21 nas montanhas. Teoricamente, deveria estar todo mundo em casa, quietinho, na beira do fogo. Que nada. O povo ferve na cidade mais austral do mundo.
Acompanhem a agenda. No final de semana que passou foi realizada a primeira edição do Festival Internacional “Jazz al Fin”, que reuniu expoentes desse gênero num encontro musical com jam sessions, oficinas de música e e conversas pelos bares noite adentro. O evento foi precedido, em fins de maio, pelo festival gastronômico “A Cozinha do Fim do Mundo”, um duelo de chefs que está em sua terceira edição e apresentou versões de autor para as famosas merluzas negras e outras delícias do mar.
Outros dois eventos consagrados também ocorreram recentemente: a segunda “Bienal de Arte do Fim do Mundo”, que recebeu obras de 16 países, e o “Festival Internacional de Música Clássica”, que está em sua quinta edição já levou a cidades as orquestras sinfônicas de Praga, Berlim e, agora, a de Moscou.
O próximo grande evento é “Festa da noite mais longa do ano”, 21 de junho, o Solstício de Inverno - o momento em que a terra se encontra numa órbita que deixa um de seus pólos mais longe do sol. No hemisfério norte acontece em dezembro. É a festa mais esperada do ano em Ushuaia, celebrada desde a década de 1970. Desde sábado, 20, haverá apresentações artísticas por toda a cidade - literatura, dança, teatro, bandas de rock, jazz, tango, folclore. E quase 30 minutos de fogos de artifício.
Este ano, a proposta é recuperar a magia da data, a mais antiga celebração pagã do mundo, sempre ligada à ideia de renovação e renascimento. O triunfo da luz sobre a escuridão. A partir de quando as noites começam a ficar mais curtas e os dias mais longos. Será realizada uma caminhada com tochas pela cidade até uma grande fogueira central para fazer um ritual chamado de “queima de obstáculos e impedimentos”. Escrever num papel os obstáculos que podem estar interferindo para que se consiga alcançar um objetivo e queimá-los coletivamente nessa noite.
Acredito, no entanto, que a grande “balada” de Ushuaia é ela mesma. Estar no coração selvagem da terra do fogo não é pouca coisa, tanto é que surpreendeu até Charles Darwin. “Uma mera olhada na paisagem bastou para fazer-me ver o quão inteiramente distinto era aquilo de tudo o que havia visto até então”.

Gisele Teixeira é jornalista. Trabalhou em Porto Alegre, Recife e Brasília. Recentemente, mudou-se de mala, cuia e coração para Buenos Aires, de onde mantém o blog Aquí me quedo (giseleteixeira.wordpress.com), com impressões e descobrimentos sobre a capital portenha.


Blog do NOBLAT
link do postPor anjoseguerreiros, às 14:59  comentar

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Junho 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9





arquivos
blogs SAPO