notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
10.5.09
Após roubo, ela conta que vai passar o Dia das Mães com a família.Trio levou filho dela por mais de 400m em cadeirinha pendurada em carro

"Ainda tenho medo de sair de casa. Vou passar o domingo com minha mãe", disse Renata Jobim, mãe do bebê Gabriel, de 3 meses, que foi arrastado pelo carro da família em um assalto em Maceió, em 23 de abril deste ano. Ela não pretende comemorar o primeiro Dia das Mães dela fora de seu apartamento na capital alagoana.
"O máximo que vai dar para fazer é ir até a casa de minha mãe, que mora bem pertinho de nós", disse Renata. Ela ainda lembra dos momentos difíceis vividos após ver o filho pendurado do lado de fora do carro, sentado na cadeirinha de bebê, perto da roda do veículo.
A arquiteta se preparava para sair de casa com o filho, quando foi abordada por três rapazes, que pediram o carro. Ela estava acompanhada da mãe e tentou tirar o filho com a cadeirinha, mas não teve tempo. Um dos criminosos, que assumiu o volante, acelerou o veículo e a criança ficou pendurada do lado de fora.
"Eu cheguei a pensar besteira naquele dia, mas, felizmente, hoje posso passar o Dia das Mães com meu filho e ao lado da minha mãe", afirmou a arquiteta, que ainda não retormou à rotina profissional, já que sua licença maternidade já acabou. "Estou me virando em casa mesmo."
Renata disse que o filho só saiu de casa para ir ao médico. "Precisava fazer o acompanhamento do ferimento no bracinho dele. Era difícil fazer o curativo porque ele chorava de dor. Fora isso, tivemos a rotina de ir à delegacia, prestar depoimento, fazer exames no IML."

Ferimentos
Logo após o assalto, o menino e o carro foram abandonados na avenida da orla de Maceió, cerca de 400 metros do local da abordagem.
O bebê sofreu escoriações no braço esquerdo, passou por uma tomografia na Santa Casa de Misericórdia de Maceió, mas o exame não constatou problemas neurológicos. Segundo médicos que atenderam a criança, a estrutura da cadeirinha evitou ferimentos graves.

Brinquedos e visitas
Ela afirmou que o filho está se alimentando bem, mas ainda enfrenta um pouco de dificuldades quando dorme. "Ele acorda, às vezes, um pouco assustado. A médica nos disse que ele não deverá gravar na memória o que aconteceu, apenas terá lembrança de ter sido chacoalhado."
"O que nos ajudou a superar os primeiros momentos após o ocorrido foram as visitas de amigos e parentes. O apartamento estava sempre cheio e era ruim quando todos voltavam para suas casas. Muita gente deu presentes para o Gabriel. Foi bom para relaxar e distrair a cabecinha dele", disse Renata.


Portal G1
link do postPor anjoseguerreiros, às 17:06 

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Maio 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9






arquivos
subscrever feeds
blogs SAPO