notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
13.5.09
A perspectiva da foto tem o objetivo de ilustrar que o acesso à cultura pode trazer mudanças. Por isso, na parte mais ao fundo da imagem podemos perceber que há lixo jogado, representando uma vida desordenada e sem sentido que é deixada para trás. O jovem da foto é um convite para que se criem condições para a promoção de uma cultura da paz fundamentada na justiça social. A foto em preto e branco realça a característica da cena retratada, dando emoção ao momento captado e enfocando a seriedade, o que leva à reflexão sobre o conteúdo. Deixar apenas o livro colorido tem como objetivo destacar a leitura e a cultura como forma de combate à violência. Criação: Ana Paula Couto, Bianca U. Trava, Fernando R. Moretti, Nathália Bellan, Luis Gustavo Cavalcante.Modelo: Adauto H. Cavalcante.

Fraternidade e Segurança Pública. Esse é o tema da Campanha da Fraternidade da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, CNBB, com o lema “A paz é fruto da Justiça” (Is 32,17). Debater sobre a segurança pública é o foco da Campanha da Fraternidade de 2009, para mostrar às pessoas que é possível a cultura da paz: na família, na sua comunidade e na sociedade em que vivemos. O objetivo é o empenho na construção da justiça social e da segurança para todos.

Falar de violência não é difícil, pois os números dela no Brasil são alarmantes. Conforme pesquisa da OEI (Organização dos Estados Ibero-Americanos), divulgada em 2007, para cada grupo de 100 mil pessoas, 27 morrem assassinadas. Tratando-se da faixa etária entre 20 e 24 anos, o quadro se torna ainda mais preocupante, chegando aos 64,9 homicídios. O estudo situa o Brasil na 4ª posição dos países mais violentos de um total de 84 pesquisados. Quando falamos em violência, logo pensamos no ato de agressão física, aquela que tem o objetivo de ferir, deixando ou não marcas evidentes. Mas essa não é a única forma de violência.
E é sobre isso que a Campanha deste ano quer nos alertar, nos mostrar a realidade, a triste realidade de que existem muitos tipos de violência, quais muitas vezes nem percebemos. Entre os vários tipos de violência, a psicológica ou a agressão emocional é tão ou mais prejudicial que a física, pois se caracteriza por rejeição, discriminação, humilhação, desrespeito e, muitas vezes, punições exageradas. Um exemplo é a diferença entre as classes sociais: os ricos tornam-se cada vez mais ricos à custa dos pobres, cada vez mais pobres. Ela é determinada por valores sociais, culturais, econômicos, políticos e morais de uma sociedade, gerando muitos conflitos pessoais, que fazem a pessoa sentir-se diferente por perceber que sua realidade está muito distante da ideal, criando então o conflito entre a possibilidade e a realidade em que vive. Surgem, a partir das diferenças encontradas dentro de si, conseqüências para a sociedade no que diz respeito à violência e à insegurança. Quando se tornam casos de anomalias, muitas pessoas procuram fugir de seus conflitos, com desvios no comportamento sexual, no alcoolismo e no uso de drogas, gerando comportamentos criminosos graves, como assassinatos, linchamentos, assaltos, tráfico de drogas, tiroteios e corrupção, além do desrespeito às normas de conduta sociais estabelecidas pelos códigos legais.

Basicamente, existem três tipos de violência: a estrutural, a física e a simbólica.

Violência estrutural: baseada principalmente na discriminação social.
Violência física: é facilmente perceptível, pela visualização e por sua materialidade
Violência simbólica: é menos perceptível, ocorre por meio de situações, constrangimentos, ameaças e humilhações.

As diversas formas de violência abordadas pela CF 2009

A violência no meio familiar
Acidentes domésticos;maus-tratos intencionais ou causados por negligência ou descuido;excesso na punição física ou simbólica;brigas entre casais;violência contra a mulher;agressão aos filhos;alcoolismo e outros tipos de dependência química;pedofilia e abuso sexual;violência contra as pessoas idosas.

A violência contra nascituro e sua mãe
Atentados contra a vida de inocentes começam antes mesmo de seu nascimento. Muitos traumas e desvios de comportamento são provenientes de maus-tratos, rejeição, subnutrição, medicação inadequada e tantas outras formas de agressão ou de descaso. A violência do aborto nega a uma criança o direito de viver quando ela ainda não pode se fazer ouvir e, nos casos em que se obtém autorização judicial para realizar aborto de fetos que apresentam malformações, embora isto seja ilegal, pratica-se o aborto eugenético: recusa em aceitar os “imperfeitos”.

A violência e os grupos sociais
A convivência entre os diferentes grupos sociais nem sempre é pacífica. As diferenças existentes entre os grupos podem variar desde questões religiosas ou ideológicas até formas de compreensão do mundo. Os grupos sociais radicais, incapazes de um diálogo que tenha por objetivo a construção do bem comum, não colaboram com a segurança pública, constituindo-se, muitas vezes, constituem numa grave ameaça para ela.

A violência do racismo
Uma das formas mais cruéis de racismo é a negação de sua existência quando ele existe de fato e é indisfarçável. Não somente o racismo individual, nas relações interpessoais e sociais, mas principalmente o racismo estrutural, refletido nas barreiras da educação e do emprego.

A violência no campo
O maior crescimento da violência é verificado em relação ao número de famílias expulsas da sua terra pelo poder privado. Sem justiça no campo, não pode existir segurança. Sem segurança no campo, a sociedade estará sempre ameaçada, pois ficará marcada pelo medo e pela violência.

A violência contra os povos indígenas
Violência contra o patrimônio indígena;violência contra a pessoa praticada por particulares e agentes do poder público;violências provocadas por omissões do poder público;violências contra povos indígenas isolados e de pouco contato.

A violência no trânsito
A violência no trânsito causa mais mortes do que muitas guerras no exterior. Com a edição recente da lei nº 11.705, conhecida como a “Lei de Tolerância Zero”, de junho de 2008, e a intensificação da fiscalização, abriu-se a perspectiva de que a violência no trânsito e os acidentes diminuam consideravelmente. Mas para que isso ocorra, é imprescindível que todos tenham plena consciência de que o álcool inibe os reflexos do condutor em situações que exigem rápido reflexo.

A violência contra a natureza
A exploração econômica sem critérios, a depredação da natureza, a situação em que se encontram as florestas, a poluição dos rios e das águas em geral, a contaminação do ar, a extinção de espécies vegetais e animais são resultantes da ação predatória dos seres humanos. Todos – governos, empresas e cidadãos – com suas atitudes cotidianas, são responsáveis pelo futuro do planeta.

A violência contra os defensores de direitos humanos
Há pessoas de boa vontade que lutam para diminuir a violência. Estão organizadas em diferentes frentes de atuação com o mapeamento e denúncia de trabalho escravo, do tráfico de pessoas, da exploração sexual de menores, entre outras causas.

A violência policial e a violência contra os policiais
Os policiais, com freqüência, vivem em um universo violento, seja na realização de trabalhos comunitários, seja na luta contra a violência. Muitos ainda são causas dela, chegando a atitudes extremadas, inclusive provocando a morte de pessoas inocentes. Por outro lado, os policiais em geral sofrem com a violência: além de serem vítimas da ação de bandidos, padecem outro tipo de vitimização.

Pressupostos da cultura de paz
O Texto-base da CF 2009 diz que “em um clima difuso de concórdia e de respeito à justiça, pode amadurecer a verdadeira cultura de paz, cuja proposta está alicerçada nos seguintes pressupostos:
– o respeito à vida e à sua dignidade;
– a prática da não-violência em todas as suas formas (física, sexual, psicológica, econômica e social);
– a prática da generosidade para terminar com a exclusão, a injustiça e a opressão política e econômica;
– a defesa da liberdade de expressão e da diversidade cultural;
– a promoção do consumo responsável e de um desenvolvimento econômico que preze o equilíbrio no uso dos recursos naturais do planeta;
– a plena participação das mulheres na vida social e o respeito aos valores democráticos.


SOCIEDADE VICENTE PALOTTI

link do postPor anjoseguerreiros, às 12:11  comentar

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Maio 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9






arquivos
blogs SAPO