notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
5.1.09
SÃO PAULO - "Alô, seu Alexandre? Venha correndo para cá. Aconteceu um milagre." Esse foi o telefonema que o motorista Alexandre Vieira Goes, de 32 anos, recebeu do Hospital Leonor Mendes de Barros, no Belém, zona leste da capital, às 22h30m do dia 2 de janeiro. Quando chegou na Avenida Celso Garcia, 2.477, soube que a filha Giovana, que teve a morte atestada pelos médicos quatro horas antes, estava viva e que foi salva por uma faxineira, antes de ser levada pelo IML (Instituto Médico Legal). O 81º Distrito Policial (Belém) instaurou inquérito para apurar negligência médica.
Segundo a mãe da criança, a dona-de-casa Renata Alves de Oliveira, de 32 anos, a filha prematura realmente parecia morta. Ela fala em milagre .
- Estava roxa, sem sinais. Mas eu sou leiga nesse assunto. Até perguntei se não fariam nenhum exame. O que responderam foi: 'fazer exame para quê, se a criança está morta? - lembrou.
Renata também disse que pediu para que as médicas fizessem cirurgia cesariana. A resposta que ela disse ter ouvido foi a seguinte:
- Renata, não vamos te cortar. As chances (do bebê) são pequenas - contou a mãe.
Giovana estava virada dentro do útero materno.
- E também na parte externa da placenta - acrescentou a dona-de-casa, reproduzindo o que ouviu do corpo médico.
Em 28 de dezembro, a mãe começou a se sentir mal e teve sangramento. Tinha a sensação de que não conseguiria segurar o bebê na barriga. Moradora do bairro do Cangaíba, na zona leste, foi levada às pressas até o hospital e maternidade Leonor Mendes de Barros, onde ficou internada.
No dia 2, pouco depois das 18h, entrou em trabalho de parto normal. O feto tinha apenas seis meses. A criança foi tirada pelas pernas.
- A médica que fazia o parto precisou de ajuda. Não conseguiu sozinha. Então entrou um médico mais velho e começou a puxar meu bebê. Eu disse que estava doendo. A minha filha estava fora de mim. Mas a cabeça dela não. Ficou uns 15 minutos ou mais com a cabeça dentro de mim. Os médicos disseram que ela nasceu morta. Ficou dependurada em mim. Parecia sem vida, mesmo - lamentou a mãe.
Segundo o delegado André Luiz Pimentel, titular da delegacia local, o feto, de 23 centímetros e 720 gramas, foi enrolado em um pano e levado para o necrotério do hospital. O pai do bebê fez boletim de ocorrência da morte da filha. Estava na posse da guia de encaminhamento de cadáver número 8667, atestando óbito fetal natimorto, às 18h25m.
O carro de cadáver foi acionado pela delegacia. Chegou ao hospital à noite e quase levou a menina. Mas, segundos antes, uma faxineira entrou na sala para limpá-la e viu a o pano que envolvia Giovana se mexendo. Ela chamou os médicos.
- Eles riram, mas depois foram ver. Quase desmaiaram quando abriram o pano e viram Giovana chupando o dedo - contou a mãe.
A criança está internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

E AINDA TÊM A CORAGEM DE RIR!!!!!


fonte:http://oglobo.globo.com/sp/mat/2009/01/05/apos-ser-dado-como-morto-bebe-encontrado-vivo-em-necroterio-de-hospital-587884984.asp
tags:
link do postPor anjoseguerreiros, às 11:50  comentar

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Janeiro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9





arquivos
blogs SAPO