notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
17.2.09
Antes de ser agredida por supostos skinheads na Suíça, na semana passada, a advogada brasileira Paula Oliveira havia comunicado sobre sua possível gravidez a colegas de trabalho. Em e-mail, ela enviou imagem de um ultrassom que pode ser encontrada facilmente na internet.
De acordo com reportagem da revista "Época", que entrevistou uma colega de Paula na multinacional dinamarquesa Maersk, a brasileira pode ter inventado sobre sua gravidez, o que corrobora a tese da polícia suíça de que ela não estaria grávida.

"Quando ela deu a notícia da gravidez, mandou anexada ao e-mail a imagem de um ultrassom. E nós achamos a mesma foto no Google", disse a ex-colega. De acordo com a revista, a colega --que pediu para não ser identificada--, explica que a imagem veio com o nome "Twins 6 wks" ("Gêmeos 6 semanas"), imagem que pode ser encontrada no site about.com.

A funcionária da Maersk diz que Paula "tinha deixado uma impressão de que inventava algumas coisas para chamar a atenção", mas reconhece que ela não seria capaz de ter feito os ferimentos no próprio corpo.

Investigação
De acordo com a família da brasileira, Paula foi atacada por três skinheads no último dia 9 e, devido aos ferimentos, teria perdido os dois bebês. Paulo Oliveira, pai da advogada, sustenta que a filha nunca apresentou problemas psicológicos.
Quase uma semana após o caso ocorrer, a polícia suíça ainda não encontrou nenhuma evidência que corrobore a versão da brasileira. Segundo fonte próxima da investigação, após vários interrogatórios e buscas no local onde teria ocorrido o ataque, a tese de automutilação ganha cada vez mais força.
A polícia não achou vestígios da agressão nem testemunhas, apesar de ter divulgado um telefone pedindo informações.
A família ainda não recebeu o laudo que a polícia suíça diz ter, desmentindo a gravidez de Paula. Após a volta ao Brasil, o pai considera a possibilidade de fazer uma contraprova.

Xenofobia
O governo brasileiro defende a tese de que o fato pode ser tratado como aparente caso de xenofobia. O ministro Relações Exteriores, Celso Amorim, chegou a afirmar, na semana passada, que o governo suíço deveria realizar uma investigação correta.
De acordo com Amorim, Brasil e Suíça têm mantido contato desde o início das investigações. "O governo suíço e o governo brasileiro mantiveram contato todo o tempo. O gabinete da ministra das Relações Exteriores teve contato conosco todo tempo."
Para ele, a acusação de xenofobia, não é caso para desculpas públicas. "Isso não é nada para pedir desculpa. Isso aqui é uma construção", afirmou Amorim, em entrevista coletiva nesta segunda-feira (16).
link do postPor anjoseguerreiros, às 07:41  comentar

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Fevereiro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9




arquivos
blogs SAPO