notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
12.5.09
Identificar personalidades egocêntricas e tentar resolver desentendimentos sem envolver os filhos é a melhor atitude

Nos últimos tempos, a violência tem estado mais presente dentro de casa. Diariamente, os veículos de comunicação divulgam casos de agressão, maus-tratos e até assassinatos, principalmente de crianças. Os abusos partem de pais, padrastos, madrastas e até avós - que habitualmente eram tidos como generosos com os netos.
Para o psicólogo, terapeuta familiar e diretor da Escola VinculoVida, Sebastião Alves de Souza, muitas vezes esses casos de violência são causados por conflitos e crises não resolvidos entre os casais que transformam filhos em vítimas de retaliações e de vinganças: "Crianças e adolescentes inocentes morrem e sofrem agressões físicas de alto grau de perversidade por conta de distúrbios emocionais e psíquicos que emergem na relação conjugal".
De um ano para cá, o caso que mais chamou a atenção da opinião pública foi o da família Nardoni, cujo pai e a madrasta teriam matado a pequena Isabella ao atirá-la pela janela do apartamento. Até hoje o casal não foi julgado, mas não há outros suspeitos. Mais recentemente, um pai em Goiânia roubou um avião, sequestrou a filha Penélope, de 5 anos, provocou queda da aeronave e consequente morte de ambos. Em São Paulo, um professor de Direito de 39 anos matou o filho de cinco e suicidou-se em seguida.
Em todos esses casos, houve antecedentes de embates entre os pais - geralmente por ciúme ou pela guarda dos menores."Crianças e adolescentes são envolvidos nos conflitos entre pai e mãe e se tornam vítimas de agressões físicas, maus-tratos de toda espécie, abusos sexuais, sequestros e homicídios. Disputas de guarda e partilhas de bens materiais são usadas como desculpas para retaliações por um dos pais e quem sofre com as consequências de atos impensados e perversos são os filhos", salienta Souza.
O psicólogo lembra de outro motivo para desentendimentos: "Novas formações familiares, em que os pais trazem, para a convivência do casal, filhos de outros casamentos, tornam a vida de crianças e adolescentes conflituosa. A adaptação a novos hábitos, somada a rancores entre os ex-cônjuges e a não aceitação, pelos filhos, da madrasta ou do padrasto, culmina em situações bastante complexas. Este não é um padrão ou regra, pois nem toda família recasada é um desastre".
Souza explica que o ato extremo de tirar a vida de inocentes pode ser considerado uma psicopatia em alto grau. Deixa sequelas emocionais e psíquicas permanentes em quem sobrevive. "A mãe ou o pai que fica vivo carrega a culpa de não ter percebido que convivia com alguém afetado por sérios problemas emocionais e psiquiátricos", ressalta.
Personalidade agressiva - O terapeuta explica que nem sempre é fácil ao leigo identificar a personalidade agressiva, já que ela pode ser guardada no subconsciente por toda uma vida. Porém, estudos indicam que a força de vida e o instinto de morte convivem no organismo dos seres vivos, principalmente dos seres humanos. "Quem controla o instinto de morte é o sentido de vida e o instinto de conservação. Porém, em indivíduos com certas características de personalidade, o instinto de morte gera a pulsão de agressividade, que opera, muitas vezes, em silêncio. Essa pulsão só pode ser reconhecida quando a pessoa age em direção ao mundo externo, geralmente contra outros seres humanos", explica.
Pessoas que não controlam a pulsão agressiva e autodestrutiva são indivíduos narcisistas que supervalorizam seu eu. 7"Essas pessoas se consideram onipotentes e se sentem o próprio deus, com plenos direitos sobre sua vida e a de terceiros", observa. "O narcisismo, de certa forma, as protege do eu mas, quando se veem frustradas ou humilhadas, a proteção narcisista se rompe e cria brechas. Surge o surto psicótico provisório e afloram sentimentos de inveja e destrutividade", ilustra o terapeuta.
Souza enxerga, nesses casos, a idealização da morte como solução para todos os problemas: "A banalização da vida numa sociedade competitiva e cheia de impunidades gera nos pais total insanidade mental, na qual os sentidos de vida e de morte se igualam - morrer e matar ou viver são duas facetas da mesma moeda", analisa.
Para evitar situações extremas, Souza sugere que o cônjuge perceba em seu par comportamentos de isolamento social e afetivo: "Devem-se observar eventuais reações explosivas e exageradas para fatos irrelevantes, além de onipotência, arrogância e egocentrismo. Esses indivíduos se comportam vingativamente, guardam rancor por muito tempo ou reagem intensamente em situações nas quais se sintam frustrados, vencidos ou perseguidos por tudo e todos. Geralmente desenvolvem profissões que lhes conferem autonomia e se escondem atrás de uma racionalidade patológica. São pessoas que não admitem perdas, seja no campo pessoal, emocional ou profissional".
Na opinião do terapeuta, a solução para famílias e casais é, diante de conflitos ou crises não resolvidas, fazer a distinção entre o que é a vida e o que é a morte. "Enquanto isso não ocorrer, quem irá pagar o preço são crianças e adolescentes inocentes", conclui.


O SERRANO

link do postPor anjoseguerreiros, às 08:17 

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Maio 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9






arquivos
subscrever feeds
blogs SAPO