notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
8.5.09

Um tribunal federal americano condenou nesta quinta-feira um ex-soldado de 23 anos por violentar e matar uma adolescente iraquiana, antes de assassinar a família da jovem, informaram fontes judiciais.
Steven Dale Green foi considerado culpado de 17 acusações, incluindo estupro, homicídio e obstrução da Justiça, revelou um funcionário de um tribunal do Kentucky. Ele pode enfrentar a pena de morte quando a fase de definição da pena do seu julgamento for aberta na próxima segunda-feira, em um caso incomum de condenação por um tribunal civil por um crime em uma zona de guerra.
Green foi julgado por um tribunal federal porque tinha sido desligado do Exército por "distúrbios de personalidade" antes de ser acusado pelos crimes no Iraque. O advogado de defesa Darren Wolff, falando depois do julgamento, disse que a defesa nunca negou o envolvimento de Green nos crimes.
"Este veredicto é uma surpresa para nós? Não. O objetivo tem sido sempre o de salvar a vida de nosso cliente", disse Wolff. "E agora vamos para a fase mais importante, que é a fase de definição da pena, e vamos para alcançar esse objetivo."
Green foi o líder de uma batida em uma casa no sul de Bagdá, em março de 2006, na qual a menina iraquiana, de 14 anos foi violentada por ele e por pelo menos dois outros soldados. O próprio Green levou a adolescente e sua família para um quarto, onde executou todos, antes de incendiar a casa para encobrir o crime.
O assassinato da família, que foi inicialmente atribuído a milícianas iraquianas, provocou indignação no Iraque e nos EUA.
Outros três soldados que participaram do ataque foram condenados a penas próximas a cem anos de prisão por um tribunal militar, e um quarto, que ficou de vigia, foi sentenciado a cinco anos de prisão. Segundo a promotoria, eles planejaram o ataque durante um jogo de cartas.
Os EUA invadiram o Iraque em março de 2003, alegando que o país possuía armas de destruição em massa, e desde então mantém militares no território iraquiano. As supostas armas jamais foram encontradas.

Folha de São Paulo
Com France Presse e Associated Press
link do postPor anjoseguerreiros, às 17:22 

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Maio 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9






arquivos
subscrever feeds
blogs SAPO