notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
8.5.09

Defesa do casal Nardoni quer novo exame de DNA

São Paulo - O criminalista Roberto Podval, que defende o casal Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá, quer que a Justiça determine que os laudos de DNA sobre a presença de sangue do casal em objetos e no apartamento do casal sejam refeitos. A alegação de Podval é de que o sangue examinado pelos peritos não era de seus clientes. “Eles não forneceram o material sanguíneo utilizado como parâmetro de confronto (exame de DNA) com as amostras coligidas no apartamento e nas roupas ali encontradas”, afirmou o criminalista.
O promotor de Justiça Francisco José Cembranelli, responsável pela acusação, disse ontem que ainda não havia tomado conhecimento do pedido de concessão da medida cautelar feito pela defesa. Disse que a matéria “é antiga e já havia sido suscitada pela defesa em novembro”. “A ideia da defesa é criar uma dúvida sobre os laudos periciais. Eu não esperava que eles ficassem de braços cruzados, vendo a acusação trabalhar”, afirmou. A reportagem procurou o Instituto de Criminalística (IC), mas não localizou a direção.
A defesa do casal Nardoni, acusado de atirar pela janela do prédio a menina Isabella, de 5 anos, tem por base a alegação da falta do termo de coleta de sangue no processo contra o casal. Também se apresentou cópia de declarações dos réus, afirmando que em nenhum momento os peritos retiraram sangue para fazer o confronto. Segundo Podval, apesar disso, o laudo constatou a coincidência do perfil genético dos materiais biológicos examinados, determinando que eles pertenciam à madrasta e ao pai de Isabella.
As supostas amostras de sangue de Anna Carolina coincidiram com o sangue achado na calça que ela vestia e na cadeira de transporte de criança no carro do casal. Já o suposto sangue de Alexandre “apresentou característica de uma mistura compatível com material biológico proveniente de dois ou mais contribuintes, sendo um deles, necessariamente um homem”. Podval juntou os laudos e declarações de peritos criminais que teriam admitido não ter achado as guias de recolhimento do sangue de seus clientes. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo. (AE)

Todas as reinvidicações da nova defesa co caso Isabella já foram feitas em algum momento do processo. O novo advogado somente tenta atrasar o júri popular; não traz nenhuma novidade; não alega nada novo. As amostras do sangue do casal forma colhidas no começo da investigação e comparadas exaustivamente com as amostras encontradas na cena do crime.
Até quando teremos que esperar para que a justiça seja feita? Até quando a defesa dos Nardonis utilizará destes artifícios, que , embora legais, só trazem mais sofrimento a todos? Ana Carolina de Oliveira teve sua vida alterada tragicamente e os culpados demorarão quanto tempo para receberem a sentença???????????

JUSTIÇA JÁ!

JÚRI POPULAR AGORA!
link do postPor anjoseguerreiros, às 12:54  comentar

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Maio 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9






arquivos
blogs SAPO