notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
22.4.09

"Israel deixou uma nação sem lar", diz presidente iraniano

Elie Wiesel, Prêmio Nobel da Paz e sobrevivente do Holocausto, afirmou nesta terça-feira que não consegue compreender como permitiram ao presidente do Irã, Mahmud Ahmadinejad, fazer comentários antissemitas durante a Conferência sobre o Racismo em Genebra.
Israelense joga flor em memória às vítimas do Holocausto; declaração de presidente iraniano causa polêmica no governo
Nesta segunda-feira, durante um discurso no evento, o presidente iraniano acusou Israel de racismo contra os palestinos.
"O fato de que esta pessoa seja convidada à ONU é algo que não posso compreender. Porquê ele teve permissão para dizer o que disse, porquê o presidente não o interrompeu, é algo que não compreendo", afirmou Wiesel, durante um encontro à margem da conferência.
"A presença de Ahmadinejad e seu discurso foram insulto a nossa inteligência", disse Wiesel.
"Aqui estamos nas Nações Unidas, uma organização criada como uma resposta às atrocidades da Segunda Guerra Mundial, e temos que protestar contra um discurso antissemita", afirmou Wiesel.
Ahmadinejad, cujo país desenvolve um polêmico programa nuclear, já ameaçou no passado "apagar Israel do mapa" e considera o Holocausto um "mito".

Polêmica

No discurso em Genebra, o presidente do Irã acusou os ocidentais de terem enviado "imigrantes da Europa, Estados Unidos e do mundo do Holocausto para estabelecer um governo racista na Palestina ocupada". Nesta terça-feira, as declarações de Ahmadinejad provocaram manifestações entre membros do governo israelense que compararam a figura do presidente do Irã ao ex-ditador nazista, Adolf Hitler.
Durante o discurso de Ahmadinejad, os 23 embaixadores da União Europeia (UE) presentes abandonaram a sala em sinal de protesto e alguns militantes gritaram a palavra racista. Wiesel declarou que Ahmadinejad insiste com os comentários contra Israel porque "deseja entrar para a história do Islã como o primeiro e único líder islâmico que aniquilou o povo judeu".
"Que ele tenha estado aqui, hoje ou ontem, e que tenha falado o que falou é um insulto, um insulto a nossa inteligência, um insulto a nossa sensibilidade e um insulto a nossa memória", insistiu. Wiesel também disse que os ataques de Ahmadinejad contra Israel eram uma "injustiça para o mundo, porque ele é uma vergonha para todo o mundo, a diplomacia, as relações internacionais e para os que ainda acreditam nas pessoas".

Fonte: Folha de São Paulo
tags:
link do postPor anjoseguerreiros, às 11:13 

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Abril 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9





arquivos
subscrever feeds
blogs SAPO