notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
24.2.09
SÃO PAULO - A administradora financeira Juliana Marques de Almeida, de 25 anos, foi baleada na cabeça na orla de Peruíbe, litoral sul de São Paulo, a 129 da capital paulista. Moradora de Mauá, na Grande São Paulo, a jovem estava com amigas no Quiosque 42, no Balneário Oásis, por volta das 2h, quando foi alvejada.
Segundo testemunhas, dois homens chegaram de moto ao quiosque, um deles armado com uma pistola calibre 38, e anunciaram o assalto. A dupla levou cerca de R$ 2 mil em dinheiro do estabelecimento e, em seguida, um dos bandidos efetuou dois disparos contra um cão da raça pitbull que estava dentro do quiosque.
O animal morreu na hora. Ao fugir, o rapaz armado disparou mais duas vezes, acertando Juliana na cabeça. Quando começou o tiroteio, os amigos de Juliana se desesperaram e resolveram correr em direção à casa onde estavam hospedados, que fica a 700 metros do local do crime.
- Quando chegaram lá é que deram falta de Juliana. Voltaram ao quiosque, mas ela já estava sendo resgatada - contou a mãe da jovem, Sandra Almeida.
Juliana foi levada para o Pronto-Socorro Municipal de Peruíbe e transferida para o Hospital Ana Costa, em Santos, onde passou por uma cirurgia neurológica que durou quatro horas. A bala permanece alojada na cabeça da jovem. Juliana está internada em estado grave na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), em coma induzido, se recuperando do procedimento cirúrgico.
A mãe de Juliana, que estava passando o Carnaval em Praia Grande, recebeu a notícia do ocorrido no meio da madrugada. Inconformada com o crime, ela contou que a filha tinha saído de Mauá no domingo pela manhã, um dia depois de comemorar seu aniversário de 25 anos.
- Ela foi sozinha, de carro, se encontrar com as amigas que estavam na casa de uma das meninas. Elas sempre ficam lá - contou a mãe, bastante abalada.
O pai da garota, Matheus de Almeida, não gosta de passar os fins de semana na casa de praia da família por medo da violência.
- Deixei de vir para o litoral justamente porque lia notícias de situações como essa. Sempre falava para as meninas tomarem cuidado, não ficarem até tarde na rua, com medo da ação de marginais".
O caso foi registrado na Delegacia Sede de Peruíbe pelo delegado Renato Knap Ribeiro. Os criminosos são pardos, de cabelos e olhos pretos, aparentando ter entre 25 e 27 anos e 1,70 metro de altura. Eles ainda não foram identificados e continuam foragidos.

link do postPor anjoseguerreiros, às 10:10  comentar

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Fevereiro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9




arquivos
blogs SAPO