notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
8.2.09
Número de assassinatos aumentou 6,72% em 2008 na costa paulista; capital, Grande SP e interior tiveram queda em relação a 2007



Caraguatatuba, no litoral norte, é a cidade mais violenta no Estado, com 43,34 assassinatos por grupo de 100 mil habitantes


Enquanto interior, capital e Grande São Paulo assistiram a uma redução dos homicídios no ano passado, o litoral paulista, que recebe cerca de 10 milhões de turistas todos os anos, foi a única área do Estado onde a violência cresceu em 2008. Segundo dados da Secretaria da Segurança Pública tabulados pela Folha, o número de homicídios nas 16 cidades do litoral cresceu 6,72% no ano passado -passou de 253 em 2007 para 270 em 2008.

O crescimento da violência no litoral se deve principalmente às cidades de Caraguatatuba -a mais violenta do Estado em termos proporcionais, com 43,34 assassinatos por grupo de 100 mil habitantes- e do Guarujá. Juntas, elas são responsáveis por quase um terço dos assassinatos do litoral, embora respondam por 20% da população da região.Em Santos, a maior cidade litorânea, vizinha de Guarujá, o número de homicídios despencou 59,3% no mesmo período. Em Praia Grande não houve crescimento. Em São Vicente (2,3%) e Cubatão (5,9%) o aumento foi pequeno.

Especialistas ouvidos pela Folha e a própria secretaria atribuem o aumento da violência nas cidades litorâneas à migração causada pela expectativa de abertura de vagas de emprego nas obras dos terminais de processamento de gás que a Petrobras já faz em Caraguatatuba e projeta para Santos.

A socióloga Terezinha Ayub, professora da Universidade Católica de Santos, aponta que a migração sempre causa violência. "Por virem de outros locais, as pessoas perdem suas referências, se sentem menos controladas, e há uma perda da identidade, de seus valores. Quando a pessoa se desloca ela perde seus referenciais e passa a agir mais por instinto."Ayub também cita a "teoria da rotulação", do sociólogo norte-americano Howard Becker, que aponta que as pessoas começam a ter desvios de comportamento quando passam a ser tratadas como "diferentes" na sociedade. "Se as pessoas te apontam e dizem "você é baiano", "você é negro", "você é pobre", "você é caipira", isso vai levar a desvios do comportamento e à agressividade."

José dos Reis Santos Filho, professor de sociologia na Unesp de Araraquara, diz que os homicídios no Estado têm característica de "disputa de rua", como atuação de gangues e tomadas de pontos de droga. Para ele, essa também parece ser a situação do litoral, que sofre com problemas de habitação e alto favelamento, além de ser uma região portuária, que recebe pessoas de várias partes do país em busca de trabalho.

Embora tenha reduzido o número de homicídios em 2008, a Grande São Paulo continua sendo a região mais violenta do Estado, com 15,56 assassinatos por grupo de 100 mil habitantes. Nas 37 cidades que a compõem -sem a capital-, em 17 houve crescimento dos casos de homicídio. A situação mais grave é a de Santo André, que passou de 10,33 para 16,38 assassinatos por 100 mil habitantes. Também houve aumento em Embu Guaçu, a segunda cidade mais violenta do Estado.


EVANDRO SPINELLI

Folha de São Paulo
link do postPor anjoseguerreiros, às 11:51  comentar

De Anónimo a 8 de Fevereiro de 2009 às 21:21
A criminalidade está se alastrando em virtude de incontáveis números de pessoas que vem de outros Estados na tentativa de uma vida melhor.
Essas pessoas veêm em cidades praianas a oportunidade de ganho mais fácil, em virtude dos inúmeros turistas endinheirados- outros nem tanto assim - que procuram essas cidades para lazer e férias.
Dessa maneira cresce o número de favelas, com a falta de emprego começam a roubar, a matar, a estuprar.
Qual a solução?
Impedir que essas pessoas saiam de seu local de origem sem emprego garantido nas cidades para onde pretendem migrar-se.
Com tanto dinheiro enviado para o norte e nordeste, se fosse bem empregado pelos políticos e não desviados, essas pessoas não pensariam em sair de suas cidades de origem,pois lá m,smo encontrariam umamelhor qualidade de vida.

De carmen a 9 de Fevereiro de 2009 às 09:25
com certeza, um dos fatores é esse que vc comentou tão bem.
obrigada por sua colaboração
volte sempre
abraços
carmen e maria celia

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Fevereiro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9




arquivos
blogs SAPO