notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
22.3.09
SÃO PAULO - Quase um ano após a morte da menina Isabella de Oliveira Nardoni - que se completa no próximo domingo - o processo sobre o crime que chocou o país está parado, aguardando julgamento de um recurso da defesa do pai e da madrasta da menina, Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá. Enquanto isso, a mãe de Isabella, Ana Carolina de Oliveira, ainda chora, todos os dias, a perda brutal da filha.
- É a única alternativa de aliviar um pouco a dor e a saudade - diz (leia a entrevista com a mãe de Isabella).
Alexandre e Anna Carolina Jatobá estão presos desde 7 de maio, em Tremembé, no Vale do Paraíba, acusados de esganar e jogar Isabella da janela do sexto andar do Edifício London, em 29 de março de 2008. O pai de Isabella tem poucos amigos na cadeia e quase não toma sol. Ele divide a sala com outros três detentos e, desde o final do ano, trabalha na lavanderia. Na cadeia, Alexandre aprendeu a tocar cavaquinho para passar o tempo. Já a madrasta cuida da faxina. Apenas os pais os visitam todos os finais de semana. Os filhos são levados só a cada 15 dias, no meio da semana.
No recurso que paralisou o andamento do processo, os advogados dos acusados pedem a anulação da decisão do juiz Maurício Fossen, do 2º Tribunal do Júri, que mandou o casal a júri popular. O julgamento do recurso está marcado para esta terça-feira. Os juízes serão os desembargadores Luis Soares de Mello, Euvaldo Chaib e Salles de Abreu, da 4ª Câmara Criminal.

Até agora, Alexandre e Anna Carolina Jatobá já tiveram pelo menos dez habeas corpus negados pela Justiça, em todas as instâncias. O mais recente pedido de liberdade está no Supremo Tribunal Federal, com pedido de liminar. Mas, na semana passada, o subprocurador da República, Mário José Gisi , já manifestou-se contra a concessão do habeas corpus, por considerar que há materialidade do crime e fortes indícios de envolvimento do casal.
A defesa do casal afirma que só deverá se pronunciar após o julgamento do recurso. Já o pai de Alexandre, o advogado Antônio Nardoni, se diz inconformado. Ele responsabiliza a imprensa pelo fato de o casal estar preso.
- Não é só a mãe da Isabella que sofre. Nós também sofremos bastante, talvez mais do que ela, porque a nossa dor ainda não terminou - comenta.
Apartamento do casal está fechado
O apartamento número 61 do Edifício London, na Rua Santa Leocádia, Vila Mazzei, na zona norte da capital, de onde Isabella foi jogada pela janela, continua fechado. Era lá que Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá moravam com os filhos Pietro, de 4 anos, e Kauã, de 1. A menina ia visitar o pai e os irmãos aos fins de semana.
O imóvel vizinho, número 63, que pertence à irmã de Alexandre, Cristiane Nardoni, também está vazio. Eles ganharam do pai os apartamentos, avaliados em R$ 350 mil cada.

Aos poucos, os moradores do edifício tentam retomar as suas vidas.
- A gente não vai esquecer nunca do que aconteceu. Mas a vida precisa continuar - afirma Ângela Teixeira, moradora do 1º andar, cujo marido, Lúcio, ligou para o Resgate no dia em que a menina despencou da janela. Segundo Ângela, a tragédia com Isabella não desvalorizou os imóveis.
- Naquela época havia três apartamentos para vender. Hoje, todos estão ocupados. Apenas a cobertura ainda não tem dono - conta.
Na época do crime também não havia ninguém morando no mesmo andar dos Nardoni. Mas, hoje, os outros dois apartamentos do andar estão ocupados.
- Comprei na planta e mudei logo após o fato. Morar aqui não me incomoda. Sinto só pela menina - diz uma das moradoras, que pediu para não ser identificada.
Morador no 5º andar, Valdecy Lopes Furtado conta que, na época do crime, havia muitos imóveis vazios porque as pessoas ainda estavam se mudando.
- Está tudo igual no prédio. Apenas as câmeras, que não filmavam, agora gravam - diz.


link do postPor anjoseguerreiros, às 12:14 

De Anónimo a 23 de Março de 2009 às 08:37
Foi de cortar o coração assistir a entrevista da mãe de Isabella.
O dor que não terminará nunca. Talvez seja abrandada pela condenação dos assassinos. Mesmo assim, Isabella jamais voltará.
É de enlouquecer.
A madrasta tem problemas mentais, mas o Alexandre Nardoni, com certeza absoluta é um psicopata. Teve sangue frio para atirar a própria filha pela janela,antes jogá-la ao chão, fazendo com que a pobrezinha fraturasse a bacia.
Fez isso pq naquele momento o único interesse que havia era a madrasta,para agrada-la, ninguém mais. Um dia, quem sabe, depois de Ana Carolina não lhe interessar mais, ele poderá fazer o mesmo com ela.
Eles são assim, vieram ao mundo completamente desprovidos de sentimento sem relação ao próximo, mesmo que o próximo sejam seus pais, irmãos, filhos.
É uma mente perversa, incurável, atroz.
A prisão é como se fosse seu habitat natural. Sentem-se seguros, apesar de desejar estar num hotel cinco estrelas, se comportam bem pq não são bobos.
Um dos traços característicos dessas pessoas: voltarem-se para a religião de maneira extremada.
Agora, se comprovada a psicopátia desses dois, eles se tornarão imputáveis, e daí só mesmo o presidio psiquiatrico.

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Março 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9





arquivos
subscrever feeds
blogs SAPO