notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
28.4.09
Esta pergunta cai sobre a minha cabeça como bombas no Iraque. Não há um dia em que eu abra meu correio eletrônico sem encontrar um ponto de interrogação nos e-mails, por vezes até bem irônicos. Vocês têm razão, leitores! A imprensa precisa colocar o ponto final no enredo dessa peça. O público entrou no teatro, foi presenteado com um espetáculo quase circense e seus autores se recusam a apresentar o nome do assassino? Imaginem se não desvendassem o mistério de Odete Reutemann em 1989? Acho que teriam matado o Gilberto Braga.
Por isso começo este post com a imagem acima: o banheiro público da estação de trem de Stettbach, Zurique. Tirei a foto em 13 de fevereiro, dois dias depois que o Ricardo Noblat havia publicado no seu blog a incrível história da brasileira. Esse teria sido o local de refúgio dela após o suposto ataque por skinheads. A tristeza e frieza do banheiro combinavam bem com a história.
A questão agora é saber o que aconteceu com a Paula Oliveira. Desde que ela confessou que havia encenado o crime, o silêncio é completo. Pesquisas no Google News mostram que há muito tempo não saem mais notícias sobre o caso. A última que encontrei foi publicada pelo portal Terra e conta que Paula Oliveira continua em Zurique, está sem namorado e afastada do trabalho.
Hoje peguei o telefone para obter novas informações. Segundo Rainer Angst, porta-voz da Procuradoria Geral de Zurique, o processo continua rolando. O passaporte de Paula Oliveira permanece confiscado e as autoridades têm realizado não apenas interrogatórios, mas também perícias psiquiátricas. "Precisamos verificar a sua culpabilidade e isso leva bastante tempo", explicou.
Meu colega Wilfred Gadêlha, do Jornal do Commercio de Recife, me explicou que por lá ninguém tem informações sobre ela. O pai esteve no Brasil, mas fugiu dos jornalistas como o capeta foge da cruz. O advogado de defesa de Paula Oliveira em Zurique, Roger Müller, não atende mais os telefonemas da imprensa. Todos os números telefônicos ligados à família também estão desativados na Suíça.

Por isso, prometo aos leitores que não irei esquecer as perguntas. Espero apenas paciência e que...a justiça seja feita.

Enviado por Alexander Thoele


link do postPor anjoseguerreiros, às 19:14  comentar

De Anónimo a 28 de Abril de 2009 às 21:18
Tomara que esteja sinternada, sendo submetida a um tratamento psiquiátrico.

De Maria Célia a 28 de Abril de 2009 às 21:26
Gratas por sua participação
Maria Célia e Carmen

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Abril 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9





arquivos
blogs SAPO