notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
1.4.09
O avô da menina Isabella Nardoni, 5,, morta há um ano, o advogado Antonio Nardoni, enviou à OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) de São Paulo uma carta onde pede que a entidade fiscalize o processo contra seu filho Alexandre Nardoni e sua nora, Anna Carolina Jatobá.
O casal vai a júri popular pela morte da menina. Isabella foi assassinada na noite de 29 de março do ano passado. Ela foi agredida e jogada do sexto andar do prédio onde morava o pai e a madrasta, na zona norte de São Paulo. Eles negam a autoria no crime.
A OAB informou que não pretende divulgar a carta, que tem três páginas e foi entregue pela irmã de Alexandre. A carta estava lacrada e endereçada à OAB. De acordo com a entidade, o texto traz um desabafo do pai de Alexandre, que disse estar preocupado com a repercussão do caso. Segundo a OAB, Antonio teria reclamado da falta de provas contra o casal e de dificuldades ao longo do processo.
Na carta, o pai se diz convicto da inocência de Alexandre e da nora, segundo a entidade, faz um apelo para que a OAB fiscalize os princípios constitucionais da ampla defesa e do contraditório.
"Considerando que há advogado legalmente constituído no processo, não me cabe fazer manifestação sobre o mérito do mesmo. A OAB está à disposição, para receber o advogado que patrocina a causa, se for do interesse dele, para que ele possa bem exercer seu mandato e dessa forma garantir um julgamento justo", afirmou o presidente da OAB, Luiz Flávio Borges D'Urso.


link do postPor anjoseguerreiros, às 20:19  comentar

De Anónimo a 3 de Abril de 2009 às 14:02
Estou começando a achar que esse senhor é tão culpado quanto seu filho por ser tão conivente com um crime tão horrendo.
Já passou da hora de alguém dizer para ele ir se tratar. Como ele espera algum tipo de recuperação do casal, mimando-os e paparicando-os, como se o crime praticado fosse algo que merecesse perdão?
Alexandre na cela continua fazendo o que sempre fez em liberdade: comer, dormir, assistir televisão, e seu pai enchendo-o de guloseimas.
Ana Carolina mais esperta, se uniu ao grupo de envangélicas para garantir sua pele, o que comprova que de tonta e boba ela não tem nada. Continua fria e cauculista.
Tomara que ela interprete bem as palavras:
"A Cesar o que for de Cesar. A Deus o que for de Deus, e a Ana Carolina e Alexandre o castigo que merecem"
Como no Brasil ninguém pode ficar preso por mais de 30 anos, esperamos que ao cumprirem 1/3 da pena continuem encarcerados, pois se de lá sairem, poderão acabar com a vida dos outros dois filhos.

De Anónimo a 3 de Abril de 2009 às 14:08
Triste destino dos dois filhos desse casal. Não bastasse serem filhos de assassinos, onde o maior presenciou o pai assassinando a irmã, precisam conviver com os pais de Ana Carolina, que segundo o que a imprensa tem noticiado, é uma pessoa de caráter muitíssimo duvidoso.
Se correrem o bicho pega, se ficarem o bicho come ... na casa dos avós paternos impera dinheiro e conivência com atos desabonadores. Na casa dos avós maternos, o avô que não possui nenhuma qualificação moral para exercer a função que se propôs.
Triste sina dessas crianças.

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Abril 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9





arquivos
blogs SAPO