notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
11.3.09
Para o arcebispo de Olinda e Recife, dom José Cardoso Sobrinho, o estupro cometido pelo padrasto da menina de 9 anos que estava grávida de gêmeos não é mais grave que o aborto. A declaração foi feita nesta sexta-feira (6), no lançamento da Campanha da Fraternidade 2009. Dando continuidade às polêmicas a respeito da interrupção da gravidez da garota de Alagoinha, no Agreste de Pernambuco, ele chegou a comparar o procedimento, realizado no Centro de Saúde Amaury de Medeiros (Cisam), no Recife, ao Holocausto, massacre de nazistas que matou seis milhões de judeus durante a Segunda Guerra Mundial.
Na quarta-feira (4), dia em que a gravidez foi interrompida, Dom José disse que todos que participaram do aborto e o apoiaram estavam automaticamente excomungados da Igreja Católica, mas declarou que o padrasto da menina, que está preso no Agreste e será indiciado por estupro, não poderia ser punido com a excomunhão.
“Ele cometeu um crime enorme, mas não está incluído na excomunhão. Foi um pecado gravíssimo, mas, mais grave do que isso, sabe o que é? O aborto, eliminar uma vida inocente”, enfatizou.
Como após as declarações da Arquidiocese o caso da menina repercutiu nos principais jornais do mundo, até mesmo o presidente Luiz Inácio Lula da Silva demonstrou indignação com o discurso do arcebispo, chegando a ser mais contundente que o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, que defendeu os médicos que fizeram o aborto legal.
“Como cristão e como católico, lamento profundamente que um bispo da Igreja Católica tenha um comportamento conservador como esse. Não é possível que uma menina estuprada por um padrasto tenha esse filho, até porque a menina corria risco de vida”, declarou Lula durante o lançamento do Programa Território de Paz, em Vitória, no Espírito Santo.
Reunidas em Fortaleza, no Ceará, entidades médicas divulgaram moção de apoio à equipe do Cisam e criticaram a interferência da Igreja. “Repudiamos a postura de julgamento religioso dos profissionais pelo representante maior da Igreja Católica em Pernambuco, que lembra os tempos da Inquisição”, diz o documento.
A garota recebeu alta do Cisam na manhã de sexta-feira (6), quando seguiu com a mãe para um abrigo providenciado pela Secretaria Executiva da Mulher. A irmã mais velha da menina, que é deficiente e também foi violentada, foi trazida do interior para a capital pernambucana nesta sexta.
Do JC Online - Penambuco
Com informações do Jornal do Commercio e de Agências
Veja o que diz à respeito o blog Interzone
O arcebispo de Olinda, dom José Cardoso Sobrinho, declara:
"Eu não excomunguei os envolvidos no aborto da Menina de 9 Anos. "
É verdade. A imprensa, por desconhecimento dos ritos e leis canônicas da Igreja Católica, distorceu um pouco os fatos, ao publicar que o arcebispo excomungou os envolvidos. Ele apenas anunciou que, segundo as leis da Igreja, eles estariam excomungados. Isso se forem católicos. O caso está repercutindo até fora do Brasil, porque uma sentença de excomunhão anunciada pela Igreja Católica sempre provoca surpresa e choque no meio religioso, já que a Igreja costuma ser bem tolerante com as faltas de seus fiéis e, somente em casos drásticos, costuma expulsá-los de suas fileiras.
Porém, o que aconteceu com os médicos e a mãe da menina trata-se de uma penalidade "latae sententiae", ou seja, um caso de excomunhão automática no qual o fiel torna-se imediatamente um "excomungado" no exato momento em que comete o delito (ou pecado) condenado pela Igreja católica.
São passíveis de receber a excomunhão por "latae sententiae", os fiéis católicos que:

■ profanarem as espécies sagradas (o pão e o vinho consagrados);■ praticarem violência física contra o Sumo Pontíficie;■ (no caso de ser um sacerdote) absolverem em confissão o seu cúmplice no pecado da carne (sexo) ;■ (no caso de ser um bispo ou arcebispo) consagrarem ilícitamente outro bispo sem mandato pontifical;■ (no caso de ser um confessor) violarem diretamente o segredo da Confissão (contar a um terceiro os pecados que o fiel disse-lhe no confessionário);■ Cometerem apostasia: Segundo o código do Direito Canônico de 1983, atualizado em 1998, apostasia é o repúdio total à fé cristã, ou a recusa em submeter-se à autoridade do Papa ou à comunhão com os membros da Igreja a ele sujeitos;■ Praticarem a Heresia;■ se tornarem cismáticos;■ praticarem abortos

A excomunhão é uma das sanções mais graves que podem ser aplicadas a um seguidor do catolicismo. Na religião católica, excomungar é expulsar oficialmente um membro da Igreja (fiel comum ou religioso) e negar-lhe explicitamente a esperança de salvação que Cristo ofereceu a todos os homens. Na crença católica, se você morrer excomungado, você estará automaticamente além de toda salvação, porque não estará mais ligado ao Corpo Místico de Cristo, que é a união de todas as almas com o espírito de Deus, através da comunhão dos Santos. Isto é, a comunhão de todos aqueles que crêem em Deus e em Jesus Cristo como seu salvador. Reter ou expulsar um fiel faz parte de um daqueles direitos que Jesus concedeu aos seus apóstolos quando falou em "ligar e desligar" na terra e no Céu. Ou em perdoar pecados ou rete-los. Muitos católicos ignoram, por exemplo, que o confessor tem o direito de negar-lhe a absolvição, caso suspeite que não exista realmente arrependimento naquela confissão. E se não houver arrependimento, então não pode haver absolvição. Naquele seriado OZ, por exemplo, existe uma cena em que o padre nega explicitamente a absolvição a um prisioneiro.Quanto eu era criança, as minhas amiguinhas de outras religiões diziam que para as meninas católicas era tudo muito fácil. Bastava pecar e depois ir na igreja confessar que estará tudo certo. Nossa! Como é fácil ser católica e blá, blá, blá. Bom... Elas não sabiam e eu também não, mas descobri depois que não é tão fácil assim. Nem tão simples. Deus é bom e perdoa sempre, porém não é burro.A confissão não envolve apenas arrependimento ou vontade de se purificar de uma culpa. Ela envolve conversão, ou seja, a vontade sincera de mudar de vida e não voltar a cometer novamente o erro praticado. Se não existir essa intenção, ou, pelo contrário, se o católico vai se confessar de forma mal intencionada, pretendendo sair da Igreja e voltar a praticar tudo novamente, sua confissão será inválida. Você pode enganar seus pais, seus amigos, sua congregação, o sacerdote e até mesmo sua própria consciência, porém não pode enganar a Deus.A mesma coisa acontece com a excomunhão. Alguns amigos no Orkut perguntaram: "Mas e daí? Os padres acaso pedirão carteirinha de sócio para negar ao excomungado o acesso a uma missa ou aos sacramentos?"Lógico que não. Se o padre souber da condição do excomungado, certamente negar-lhe-á os sacramentos, mas, mesmo no caso do excomungado enganar o sacerdote e recebe-los, eles não serão válidos. Pior, se ele insistir em agir assim estará incorrendo em profanação (no caso de ir à missa e receber a comunhão, por exemplo), aumentando ainda mais o seu pecado diante das leis religiosas. Outro exemplo é se ele se casar na Igreja. Nesse caso o seu casamento não será válido e se a sua condição for descoberta, será anulado oficialmente; se o excomungado receber a Unção dos enfermos ou o Crisma, ídem. Também não serão válidos.É que, segundo a doutrina, os sacramentos só concendem a graça divina aqueles que estão unidos ao corpo de cristo, assim o católico só poderá a usufuir plenamente da graça concedida através dos sacramentos se a pena da excomunhão for retirada.
Lógico que, para aqueles que não acreditam ou não são católicos, isso tudo não passa de bobagem, porém, para os católicos praticantes, a ameaça de excomunhão é assustadora.
Update:Porém, nota-se que até mesmo entre aqueles auto-denominados "praticantes" a ameaça de excomunhão não parece ser levada muito à sério. O médico que praticou o aborto, por exemplo, se diz católico praticante e não parece preocupado diante do anúncio de sua excomunhão.Segundo ele, é a segunda vez que lhe anunciam isso.O motivo é que os católicos em geral, mesmo aqueles que vivem enfiados debaixo das franjas das batinas dos bispos, desconhecem completamente os fundamentos (e até mesmo absurdos) de sua fé. Creem através de osmose. A fé deles não é amadurecida. Creio que de todos os católicos existentes no mundo, praticantes mesmo, aqueles que realmente conhecem os fundamentos de sua fé e os aceitam, somente uns 5%. Ou menos.
link do postPor anjoseguerreiros, às 11:27 

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Março 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9





arquivos
subscrever feeds
blogs SAPO