notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
1.4.09

Pedras misturadas com tabaco já viciam classes mais altas; atendimento em centros sociais dobrou em 2 anos

Antes consideradas as últimas etapas do ciclo de consumo, o crack e a cocaína viraram a porta de entrada nas drogas para crianças de, em média, 13 anos. Estudo nos centros estaduais de atendimento de São Paulo mostra que, em dois anos, dobrou o número de menores de idade em tratamento intensivo, passando de 179 registros em 2006 para 371 no ano passado, um aumento de 107%. Para os especialistas, a presença maior desses dois tipos de entorpecentes reflete três estratégias de mercado que passaram a ditar o tráfico: fidelização da clientela cada vez mais cedo; facilitação do acesso a drogas de todos os tipos e diversificação do público consumidor.
"Todo negócio exige ampliar o consumo e o crack não poderia continuar sendo tão restrito", afirma Luizemir Lago, responsável pela política antidrogas do Estado e uma das responsáveis pelo levantamento. "Tanto é que está sendo cada vez mais comum os meninos e meninas, em especial os de classe econômica mais favorecidas, usarem o chamado ?petilho?, pedras de crack trituradas e misturadas ao tabaco comum. São mais simples de usar, mas o impacto cerebral (por ser inalado) é imediato e destrutivo."
No cachimbo segurado pela mão de um menino de rua ou na pedra triturada misturada ao cigarro fumado por um garoto da classe média, o crack já não é mais consumido por apenas um estereótipo de viciado. A compulsão está em todas as classes sociais. E o mesmo caminho, só que ao inverso, foi trilhado pela cocaína, anteriormente servida em bandejas para os endinheirados e hoje presente também entre os mais pobres. No baile funk da favela ou nas festas de debutantes em bufês, aumentam as vítimas.
Inaugurada no fim de janeiro, a clínica Jovem Samaritano, primeira instituição pública de internação para adolescentes dependentes, é a prova de que o pó virou droga de estreia. Todos os meninos que foram levados para o local, por determinação judicial, encaminhamento do conselho tutelar ou serviço de saúde, respondem com a palavra "cocaína" quando indagados sobre o motivo para a chegada "ao fundo do poço".

Fernanda Aranda

tags:
link do postPor anjoseguerreiros, às 09:20 

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Abril 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9





arquivos
subscrever feeds
blogs SAPO