notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
27.4.09

O Tribunal Provincial de Halle, na Alemanha, condenou nesta segunda-feira, a oito anos e meio de prisão, uma mulher de 28 anos que matou suas duas filhas bebês e escondeu os corpos delas. Na primeira vez, ela enterrou a criança perto de casa e, um ano depois, na segunda, escondeu o corpo na máquina de lavar roupas de casa.
O caso foi descoberto em outubro do ano passado, quando o companheiro dela e pai de suas duas filhas mortas --e também de um menino de 2 anos--, descobriu o corpo de uma menina dentro da lavadora.
O tribunal considerou provado que a mãe matou as filhas, o que ela mesma admitiu durante o processo, alegando não ser capaz de explicar por que as assassinou. "Não posso argumentar os fatos, sinto", disse, após reconhecer que asfixiou a filha com um lenço, antes de escondê-la na lavadora.
Um ano antes, após dar à luz em segredo, a condenada havia estrangulado a outra menina, cujo corpo enterrou no dia seguinte em um terreno próximo à sua casa, em Grosskugel, no leste da Alemanha.
Mãe alemã é condenada por matar e congelar bebês
Seg, 01 Dez, 06h01

Outro caso

A dona de casa alemã Monika Halbe(foto), de 44 anos, foi condenada a quatro anos e três meses de prisão ,também em uma segunda-feira, porém de dezembro do ano passado Ela matou e congelou no freezer da família dois bebês, suas filhas.
Os corpos foram encontrados pelo filho de 18 anos de Monika, que abriu o congelador para procurar um pedaço de pizza.
Havia três bebês mortas, mas Monika só foi processada pela morte de duas, uma vez que a terceira teria morrido, segundo a equipe forense que examinou os cadáveres, há mais de 20 anos, e por isso o crime já prescreveu, de acordo com a lei alemã.
Após cinco dias de julgamento, a dona-de-casa foi condenada a quatro anos e três meses de detenção por assassinato. Ela admite ter escondido os corpos das filhas no freezer, no porão da casa, mas nega tê-las matado.
O advogado de defesa Andreas Bartholome afirmou que a mãe, que já tinha três filhos, foi bastante ambivalente a respeito de ter ou não mais bebês, destacando que Halbe tem pavor de médicos em decorrência de algum tipo de abuso sexual que a traumatizou.
Uma das bebês foi morta em 1988 e a outra, entre 2003 e 2007. Ambas morreram por sufocamento.
A mais velha foi morta entre 1986 e 1987, também pouco depois de nascer.
"Ela não tinha medo de que alguém encontrasse os bebês", disse Bartholome. "Acima de tudo, ela queria que os bebês estivessem perto dela".

Fonte: Folha Online
Yahoo Notícias
link do postPor anjoseguerreiros, às 19:37  comentar

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Abril 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9





arquivos
blogs SAPO