notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
30.1.09
SÃO PAULO - Uma menina de 8 anos fugiu da casa do pai nesta quinta-feira após ser agredida pela madrasta na cidade de São José do Rio Preto, a 451 km de São Paulo. A criança escapou e foi até a casa da avó, que pretende obter a guarda definitiva.
Segundo informações da Delegacia da Mulher, a criança foi agredida com cabo de vassoura, cinto e teria relatado ainda ter tido os cabelos cortados bem curtos pela madrasta com uma faca. Muito machucada, com vários hematomas, aparentemente a criança apanhou durando todo o dia de ontem. Ela afirmou que foi agredida por ter ido à casa de uma prima sem avisar.
Segundo a delegada assistente Margarete Franco, a menina chegou à delegacia levada pela avó, que registrou boletim de ocorrência por maus tratos.
Margarete contou que a menina foi criada pela avó materna, Vilma Benedita de Moraes, e que há cerca de 2 meses foi levada pela mãe, Sara Dalila Cavallari. No entanto, Sara teria entregado a criança para morar com o pai, onde passou a ser agredida pela madrasta. A avó contou que a menina já tinha sido espancada pela madrasta aos 4 anos de idade, na véspera do Natal.
- A menina morava comigo porque a minha filha não queria saber dela. Dois meses atrás, a minha filha pegou a criança e levou para a casa dela. Depois não aguentou e entregou para o pai. Nesta quinta-feira, a menina foi até a minha casa chorando. Disse que tinha sido espancada. A madrasta falou para a criança que iria cortar o cabelo dela para não cortar a língua, já prevendo que ela contaria alguma coisa para mim - afirmou Vilma.
A delegada afirmou que vai aguardar os laudos do Instituto Médico Legal, que realiza exame de corpo de delito nesta tarde, para convocar a madrasta e os pais da menina a depor. A madrasta, identificada como Miriam Fernandes Tresso, de 30 anos, pode ser indiciada por maus tratos, cuja pena varia de acordo com a intensidade da agressão - 2 meses a um ano por lesões leves e um a quatro anos no caso de lesões graves.
A menina está sendo acompanhada pelo Conselho Tutelar. A madrasta não foi localizada.


link do postPor anjoseguerreiros, às 09:54  comentar

De Anónimo a 30 de Janeiro de 2009 às 20:45
que pamonhice heinn]
se fosse em franca a delega aqui é linha dura num da moleza nao
ela ja estaria presa
e ainda esperar os laudos.
os olhos nao bastam ?
namo entendo as leis
um delegado tem de ter direito so em ver os fatos .
garanto que por dentro essa dra delega deve estar doida pra prender essa ai ?
prende que o povo aprova .
faça valer sua autoridade , cadeia pra ela
como em goiania a delega prendeu no ato e ainda era gente de grana
?
onde estao os estatutos da criança /
?
e essses conselhos tutelares ajudam o que?
quem?
a criança é assistida , desse jeito?
o dra delega pega a mesma vassoura que seria a arma usada contra a criança e faz o mesmo com ela
e ai daquele que vir falar da policia .
fala assim se falar leva tbm .
te garanto que vai ser promovida .

De carmen a 3 de Fevereiro de 2009 às 09:47
amigo(a) leitora, também questionamos a eficiência dos conselhos tutelares.achamos que deveriam ser formados por pessoas com mais formação.
obrigada por sua participação
abraços
carmen e maria celia

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Janeiro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9





arquivos
blogs SAPO