notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
16.3.09
Para diminuir a peregrinação de pacientes oncológicos nos serviços de saúde, uma portaria publicada no domingo no Diário Oficial da União (DOU) redefiniu a forma de atendimento.

De acordo com a nova regra, os hospitais credenciados ao Sistema Único de Saúde (SUS) para esse tipo de tratamento devem oferecer atenção integral aos doentes, do diagnóstico aos cuidados pós-operatórios. Hoje, muitas vezes, os pacientes são operados em um local e precisam se deslocar para fazer as sessões de quimioterapia e radioterapia em outro local, o que pode prejudicá-lo. A intenção do ministério é concentrar todo o atendimento em um só local. Isso facilita a análise de sua evolução clínica - e diminui seu sofrimento. “O grande problema que tínhamos antes é que o paciente ficava rodando pelo sistema e acabava com a atenção repartida entre os serviços, além do inconveniente de fazer a cirurgia num local e a radioterapia em outro”, diz o secretário de atenção à saúde, Alberto Beltrame.Hoje, 258 hospitais no País se enquadram nos critérios de atendimento integral - 11 foram credenciados no domingo, por essa mesma portaria. Caso os outros hospitais hoje habilitados para o tratamento do câncer não se enquadrem nas especificações da portaria, serão descredenciados pelo SUS.
Os onze novos serviços de atenção integral credenciados pelo sistema público estão divididos em sete Estados: Bahia, Goiás, Minas, Paraíba, Paraná, Rio Grande do Norte e São Paulo. Com a publicação da portaria, todos os Estados brasileiros, exceto Roraima, passam a ter, pelo menos, um hospital habilitado para o tratamento de pacientes oncológicos.
A nova regra é considerada pelo ministério como uma etapa do processo de reestruturação na oferta do tratamento do câncer. Desde a publicação de uma portaria anterior, em setembro de 2007, a pasta deixou de credenciar os serviços que disponibilizavam os tratamentos de quimioterapia e radioterapia de forma isolada, ou seja, funcionavam fora dos hospitais.
Fonte: Agência Estado
tags:
link do postPor anjoseguerreiros, às 14:54 

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Março 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9





arquivos
subscrever feeds
blogs SAPO