notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
28.3.09
Os crimes cometidos pelo austríaco Josef Fritzl contra sua filha Elisabeth, mantida em cativeiro como escrava sexual por 24 anos, podem ter mais desdobramentos nos próximos dias. Ontem, um advogado alemão declarou que pretende entrar com pedido para que sejam investigados ao menos a esposa e o filho mais velho de criminoso condenado à prisão perpétua, informa o jornal Kurier nesta sexta.
Klaus Ulrich Groth, advogado da cidade de Duisburg, suspeita que a família seja cúmplice nos crimes. Ele pedirá também que vizinhos e ex-inquilinos do prédio sejam ouvidos.
Groth pretende encaminhar à Alta Procuradoria de Viena um pedido para que novos testes sejam feitos no porão onde Elisabeth criou três dos sete filhos que teve com o pai. Segundo ele, "em uma casa em que há crianças, inquilinos e empregadas, um porão como aquele acabaria, cedo ou tarde, sendo descoberto".
São dois os principais pontos levantados pelo advogado. Um deles se refere ao barulho que Elisabeth e os filhos faziam em baixo da casa. Enquanto esteve presa, ela deu a luz a todas as crianças, supostamente sozinha e sem auxílio médico. O advogado quer saber se o isolamento acústico é suficiente para conter ruídos como os de partos e choros de crianças.
Outra questão se refere aos períodos de férias em que a família passava longe da pequena Amstetten, a oeste de Viena. Groth quer saber se alguém ficou encarregado de levar suprimentos ao porão.
Testemunhas já disseram que viam Josef Fritzl descer praticamente todos os dias ao porão onde manteve a filha presa. Ao menos um inquilino e a cunhada, Christine R., 56 anos, confirmam a rotina do engenheiro aposentado, que dizia estar "desenhando umas máquinas que pretendia vender".
Outro inquilino, Alfred Dubanovsky, disse à emissora britânica BBC que estranhava os barulhos vindos do porão. Quando perguntou à Fritzl, no entanto, ouviu que os ruídos provinham do sistema de aquecimento do edifício. Cerca de cem inquilinos passaram nos últimos 24 anos pela casa de Josef Fritzl.
Leandro Demori
Direto de Viena
Redação Terra
link do postPor anjoseguerreiros, às 09:14  comentar

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Março 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9





arquivos
blogs SAPO