notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
24.4.09

O primeiro dia de apuração da eleição sul-africana confirmou a vitória folgada do Congresso Nacional Africano (CNA) e de seu candidato a presidente, Jacob Zuma, mas deixou no ar a dúvida sobre se conseguiria atingir a barreira de dois terços dos votos necessários para mudar a Constituição.
Às 23h30 locais (18h30 em Brasília), com quase 60% dos votos apurados, o CNA estava na marca exata de dois terços (66,7%) dos votos, seguido pela Aliança Democrática, com 16%. O recém-formado Congresso do Povo, uma dissidência do CNA formada no fim de 2008, vinha em terceiro, com 7% --bem menos do que esperava.
Os resultados finais devem sair só amanhã, mas Zuma terminou o dia dançando com simpatizantes no centro de Johannesburgo. Na África do Sul, os partidos elegem seus deputados com base em listas prévias, na exata proporção dos votos obtidos. Depois, o Parlamento elege o novo presidente da República -no caso, Zuma, líder do partido majoritário.

Futuro presidente sul-africano tem 3 mulheres; "eu amo todas", afirma ele
Prática comum nas zonas rurais do país tem status legal e opõe tradicionalistas às massas urbanas mais voltadas para EUA e Europa

A perspectiva da ascensão de Jacob Zuma à Presidência da África do Sul acendeu um debate acalorado sobre a poligamia, uma tradição tribal, num país em que grande parte da população almeja ser aceita como parte do mundo ocidentalizado.
"Quem será a primeira-dama?", diverte-se a imprensa local, tentando adivinhar qual das três mulheres (declaradas) receberá a honraria: a discreta Sizake Khumalo, idade desconhecida, com quem é casado há 50 anos, a evangélica Nompu Mantuli, 34, (a aparente favorita) ou a mais recente, Thobeka Mabhija, 35. Especula-se que Zuma, 67, tenha até seis mulheres e ao menos 18 filhos.
O futuro presidente -que terá a eleição indireta confirmada após a posse do novo Congresso, eleito anteontem- é um zulu que faz uso extensivo das raízes em seu marketing de "homem do povo".
Pagou por isso: igrejas e partidos cristãos foram críticos de sua vida amorosa durante a campanha, ao que Zuma deu de ombros: "Muitos políticos escondem suas amantes. Eu amo todas as minhas mulheres".
A poligamia é um costume arraigado na zona rural. Depois da distribuição de renda, nada ilustra melhor o golfo entre as duas metades do país: uma mirando a Europa e os EUA, outra fiel às tradições africanas.
"Digo sem medo que 90% dos sul-africanos hoje são filhos da poligamia, praticada por algum de seus ancestrais", diz Kgosi Thobepane, coordenador do Congresso dos Líderes Tradicionais da África do Sul. "Somos os guardiães das nossas tradições. Ninguém tem o direito de nos dizer o que fazer."
Na África do Sul, a poligamia é legal, e parte do processo de negociação para uma Constituição que satisfizesse à gama de povos do país após o apartheid -de descendentes de colonizadores holandeses aos dos zulus que os combateram.
A Carta Magna afirma que "pessoas de uma comunidade cultural, religiosa ou linguística não podem ter negados seus direitos tradicionais". Isso abriu caminho para a aprovação de uma lei para a poligamia em 1998, o Ato de Reconhecimento do Casamento Tradicional.

Dois sistemas

Dois sistemas caminham lado a lado no país: o casamento civil, monogâmico, e o tradicional, poligâmico. Quem opta pelo poligâmico não se casa no civil e vice-versa. Não há limite de mulheres. Basta o marido notificar uma corte e detalhar a divisão dos bens após a morte.
Em tese, a lei diz que a primeira mulher deve estar de acordo, mas isso nunca é um problema para homens que querem se casar de novo. Também teoricamente, a mulher pode ter vários maridos, mas não se conhece nenhum caso.
"A posição da mulher fica fragilizada, e ela muitas vezes é obrigada a aceitar", diz Noluthando Ntlokwana, advogada ligada ao Centro Legal da Mulher, ONG que estuda o tema.
A praxe é o homem viver em sua cabana, cercada por casas para suas mulheres e respectivos filhos, e passar temporadas com cada uma.
Também é comum os casamentos acelerarem com a idade dos homens, caso de Zuma e do atual presidente, Kgalema Motlanthe, 60, que tem duas mulheres, uma de 24 anos. Quando sua vida amorosa foi revelada pela imprensa no início do ano, seu partido, o CNA (o mesmo de Zuma), protestou contra invasão de privacidade.
Nos últimos anos, a polêmica da poligamia esquentou em razão da epidemia de Aids. "Muitos homens em áreas urbanas usam o pretexto da poligamia para justificar terem várias amantes, quando na verdade estão apenas traindo suas mulheres e ajudando a espalhar a doença", diz Ntlokwana.

FÁBIO ZANINI
ENVIADO ESPECIAL DA FOLHA DE SÃO PAULO A JOHANNESBURGO
link do postPor anjoseguerreiros, às 09:41 

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Abril 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9





arquivos
subscrever feeds
blogs SAPO