notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
19.2.09
O estudo é da Junta Internacional de Fiscalização de Entorpecentes.País está ao lado dos Estados Unidos e da Argentina.

Um relatório divulgado nesta quinta-feira (19), em Viena, na Áustria, com informações atualizadas sobre a produção, tráfico e consumo de drogas mostra que o Brasil está entre os países que mais usam moderadores de apetite em todo o mundo, ao lado da Argentina e dos Estados Unidos. O documento da Junta Internacional de Fiscalização de Entorpecentes (JIFE) aponta ainda que a Colômbia continua sendo o maior produtor de cocaína e que, de acordo com o Escritório das Nações Unidos sobre Drogas e Crime (UNDOC, na sigla em inglês), a produção naquele país cresceu 27% no período pesquisado – o estudo se refere ao ano de 2008.
Da superfície total de plantação ilegal na América do Sul, 55% pertencem à Colômbia, 29% ao Peru e 16% à Bolívia. Ainda segundo o relatório da Junta Internacional de Fiscalização de Entorpecentes (JIFE), a maconha é a droga mais consumida na Argentina, Bolívia, Peru, Equador e Uruguai.
A Jife foi criada em 1968 pela Convenção Única sobre Drogas Entorpecentes e tem atuação independente de governos e das Nações Unidas. Tem a responsabilidade de monitor a obediência dos países em relação aos tratados internacionais de controle das drogas.
Brasil, Argentina e Estados Unidos consomem 78% dos estimulantes do mundo. Os mais comuns são as anfetaminas e derivados, como anfepramona e femproporex. Os especialistas em emagrecimento dizem que o uso de moderadores é aconselhado para pacientes que lutam contra o gancho excessivo de peso, mas a combinação de várias substâncias e medicamentos pode ser muito nociva à saúde.

Receita explosiva, diz médico
O endrocinologista Amélio de Godoy Matos sustenta que, certas fórmulas, que combinam moderadores, anti-depressivos, laxantes e diuréticos, são uma “receita explosiva”. “Não é incomum estas pessoas desenvolverem quadros psicóticos, quadros de depressão, principalmente depois que param com esses remédios”, diz o médico Amélio, que alerta para um outro perigo: a presença, nessas fórmulas, do hormônio da tireóide, que surge com o nome de liotironina. Segundo o médico, o excesso de hormônio da tireóide faz o organismo queimar mais calorias, mas, em compensação, pode causar hipertireoidismo, a doença que altera a pressão arterial e que pode provocar arritmia cardíaca.

Remédio, nunca mais, diz Carla
A assessora de marketing Carla Pereira luta contra o excesso de peso há 30 anos e diz que teve problemas com algumas dessas fórmulas que incluem estimulantes: “Boca seca, irritabilidade, mau humor, nervosismo... “, são algumas das lembranças que ela tem dessas fórmulas. Quinze quilos mais magra, Carla prefere lutar contra o sobrepeso com exercícios físicos e controlando a alimentação: “Eu considero que estou muito melhor e eu quero continuar neste caminho. Remédio para emagrecer, nunca mais”, diz ela.


fonte:G1

link do postPor anjoseguerreiros, às 17:34  comentar


pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Julho 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9


21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


arquivos
visitas
blogs SAPO