notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
8.1.09
JERUSALÉM - Israel foi atacado pela primeira vez a partir de outro país desde o início da ofensiva contra o grupo radical islâmico Hamas, na Faixa de Gaza, lançada há 13 dias. Pelo menos três foguetes Katyusha disparados do sul do Líbano, na manhã desta quinta-feira, atingiram o norte do país vizinho, onde os lançamentos do Hamas não chegam. Os ataques causaram ferimentos leves em duas pessoas. Israel revidou com cinco mísseis. Estes foram os primeiros ataques entre os dois países desde a guerra israelense contra o Hezbollah, em 2006, aumentando o temor de que o conflito em Israel se amplie no mundo árabe. Desde a noite de quarta-feira, forças israelenses realizaram mais de 60 ataques a Gaza. O total de mortos ultrapassa 700.
Até o momento, nenhum grupo assumiu a autoria do lançamento contra o norte de Israel. O Hamas negou envolvimento com o ataque. Há dias, o Hezbollah disse não estar planejando ataques, mas afirmou que estava pronto para uma nova guerra com Israel caso o país abra uma frente paralela ao confronto em Gaza. Um ministro do gabinete israelense culpou os palestinos que vivem no Líbano pelo ataque, e não o Hezbollah. O governo libanês condenou os lançamentos de foguetes contra Israel e ordenou a abertura de uma investigação sobre o caso, mas já adiantou que não acredita que o Hezbollah seja o responsável.
Três horas depois de os três projéteis atingirem o território israelense, sirenes de alerta voltaram a ser ouvidas na região, mas o Exército do Líbano negou que novos ataques tenham ocorrido. Segundo autoridades, as sirenes podem ter sido disparadas pelo barulho de jatos que sobrevoavam a área.
Um dos foguetes lançados do sul do Líbano caiu na cidade israelense de Naharia. Os outros dois caíram nos arredores da cidade. A polícia israelense declarou estado de emergência em Naharia até que se esclareça a situação. A Organização das Nações Unidas, que mantém uma força de paz na região, descartou a necessidade de reforços, mas condenou os ataques e pediu moderação aos dois lados.
- Estava preparando as crianças para ir ao colégio, por volta das 7h30, quando ouvimos uma forte explosão e vimos uma grande coluna de fumaça - disse um morador de Naharia a um meio de comunicação local. As autoridades locais suspenderam, esta manhã, as aulas e ordenaram que a população se dirija aos refúgios antiaéreos. Forças israelenses matam palestino durante confronto na Cisjordânia
Israel já estava em estado de alerta em sua fronteira norte por temer que o braço armado do Hezbollah realizasse algum ataque em represália à ofensiva israelense em Gaza. Testemunhas relataram, nos últimos dias, que aviões de combate patrulhavam a região de forma contínua.
O ataque no norte de Israel deve intensificar ainda mais os esforços diplomáticos por uma cessar-fogo entre Israel e o Hamas. Na noite de quarta-feira, Israel retomou seus ataques contra o sul da Faixa de Gaza depois de ter interrompido o bombardeio durante três horas para a entrada de ajuda humanitária no território palestino. O governo israelense prometiu repetir a trégua parcial diariamente.
Pelo menos cinco pessoas morreram nos ataques israelenses na madrugada desta quinta-feira. Uma mesquita foi destruída pelas forças de Israel, segundo as quais o templo seria usado para "armazenar armas e como ponto de encontro de terroristas". Também foram atacados 15 túneis na fronteira da Faixa de Gaza com o Egito.
Na Cisjordânia, território palestino governado pelo partido secular Fatah, que se opõe ao Hamas, forças israelenses de segurança mataram um homem a tiros, nesta quinta-feira, durante um confronto. Segundo a Rádio Israel, a polícia matou o palestino depois que ele ateou fogo em um posto de gasolina em um assentamento judeu, próximo a Jerusalém.


link do postPor anjoseguerreiros, às 09:54  comentar

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Janeiro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9





arquivos
visitas
blogs SAPO