notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
29.1.09
RIO - Carregar a própria mochila já é um dos sinais de independência para as crianças. Mas se o modelo não for o adequado, pode prejudicar a coluna. O ortopedista Rogério Vidal de Lima explica que só de observar a criança com mais atenção os pais já podem saber se fizeram a escolha certa ou não. O ajuste no corpo deve ser uma das principais preocupações.
- A mochila tem que estar bem colada às costas, e a maioria dos modelos permite ajustar as alças - explica o médico.
- Se a alça estiver desajustada, a criança tem a tendência normal de jogar o corpo para trás - ensina.
Com as alças ajustadas, a parte inferior da mochila não pode ultrapassar a altura da cintura da criança. Ela deve ficar rente ao corpo e não deve ser mais larga do que as costas.
A recomendação vale também para os modelos com rodinhas. As rodinhas mais indicadas são as de borracha, que deslizam mais fácil.
- Se a rodinha tiver uma proteção de plástico, veja se ela não tem uma ponta que pode machucar a criança, quando ela usar nas costas por muito tempo - explica Rogério Vidal.
Para não prejudicar a saúde dos filhos, vale uma regra básica de matemática para os pais: o peso da mochila mais o do material escolar nunca pode ultrapassar 10% do peso da criança. Para uma criança de 20 quilos, por exemplo, o limite são dois quilos na mochila.
Para o administrador Philipe Sanceau, pai de uma menina, controlar o excesso de bagagem ainda é um desafio.
- A gente tem até que brigar para ela tirar material da mochila. Ela quer trazer material da semana inteira todo dia, aí a mala dela fica um chumbo! - comenta.


tags:
link do postPor anjoseguerreiros, às 18:48  comentar

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Janeiro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9





arquivos
visitas
blogs SAPO