notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
9.1.09

JERUSALÉM - As Nações Unidas (ONU) anunciaram nesta sexta-feira que retomarão as suas operações em Gaza após receber "garantias críveis" do alto comando militar israelense de que suas tropas respeitarão os trabalhos humanitários da organização.
- Os deslocamentos do pessoal da ONU, que haviam sido suspensos, serão retomados assim que for possível - disse a porta-voz Michèle Montas.
A distribuição de alimentos e medicamentos às vítimas do conflito foi interrompida depois que a organização humanitária foi alvo de uma série de ataques da artilharia israelense. Na terça-feira, duas escolas administradas pela ONU foram alvejadas na Faixa de Gaza, matando dezenas de pessoas. Na quinta, um ataque de Israel contra um comboio que cruzava a passagem de Erez matou dois funcionários da entidade .
Nesta sexta-feira, as Nações Unidas também acusaram as forças de Israel de abrigar um grupo de palestinos em uma casa na Faixa de Gaza e depois atacar o local com tanques, matando 30 dos refugiados. A ofensiva israelense lançada há 14 dias contra o Hamas já teria deixado mais de 770 palestinos mortos, a maioria deles civis e crianças. No lado israelense, foram registradas dez mortes, na maioria militares.
O Conselho de Segurança da organização aprovou nesta madrugada uma resolução pedindo o cessar-fogo imediato entre o grupo radical islâmico Hamas, que governa a Faixa de Gaza, e as forças de Israel, além da retirada das tropas israelenses, mas os dois lados voltaram a atacar. O premier de Israel, Ehud Olmert, disse que a "decisão é impraticável".
O Exército israelense disse que está investigando o novo incidente denunciado pela ONU. Um relatório do Escritório do Coordenador de Assuntos Humanitários da ONU (Ocha) tornado público nesta sexta diz que, no dia 4 de janeiro, soldados israelenses levaram 110 palestinos para uma casa na área de Zeitoun, no centro de Gaza, dizendo a eles para não saírem do local. Citando testemunhas, o relatório informa que, depois, a casa foi atingida por bombas, que mataram 30 pessoas.
Médicos palestinos disseram que, no dia 5 de janeiro, receberam 12 corpos de uma mesma família numa casa atingida pela artilharia israelense. Segundo eles, o número total de mortos subiu para 30, já que mais corpos foram retirados dos escombros. Eles identificaram a maioria dos mortos como membros de uma família de sobrenome Samouni. O Ocha disse que, entre os mortos, há três crianças. No 14º dia de conflito, aviões israelenses lançaram bombas na periferia de Gaza. Em outra região da Faixa de Gaza, ao norte, na localidade Beit Lahiya, médicos palestinos contaram que seis pessoas de uma mesma família foram mortas quando a casa onde elas viviam foi destruída por tanques.
O relatório do Ocha também afirma que, segundo o Ministério Palestino de Saúde, 758 palestinos foram mortos até quinta-feira e mais de 40% deles são mulheres e crianças.


link do postPor anjoseguerreiros, às 17:27  comentar

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Janeiro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9





arquivos
visitas
blogs SAPO