notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
26.1.09
RIO - Ir à praia e resistir à crescente quantidade de guloseimas oferecidas por ambulantes é difícil. Coco, queijo na brasa, abacaxi, mate de galão, sacolé, milho, sanduíche, ostra, empada, esfirra... Os petiscos são saborosos, mas também são ricos em calorias e gorduras. E, com exceção dos industrializados, nunca se sabe ao certo a procedência desses alimentos, nem de que forma foram manipulados e armazenados. De acordo com a reportagem de Antônio Marinho deste domingo, tudo isto associado ao calor aumenta muito a chance de alguém vir a ter infecções e intoxicações intestinais
Para início de conversa, na praia só estão liberados comestíveis industrializados, aprovados por órgãos competentes, segundo a Vigilância e Fiscalização Sanitária do Rio. Nenhum alimento pode ser manipulado ou preparado na hora, justamente para evitar as infecções e intoxicações, cujos sintomas aparecem de seis até 72 horas.
Além disso, o valor calórico de alimentos vendidos na praia é alto Vilma Blondet, do Departamento de Nutrição e Dietética da UFF, sugere optar por alimentos leves, com baixo valor energético e grande conteúdo de água para hidratar.


tags:
link do postPor anjoseguerreiros, às 11:31  comentar

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Janeiro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9





arquivos
visitas
blogs SAPO