notícias atuais sobre saúde, violência,justiça,cidadania,educação, cultura,direitos humanos,ecologia, variedades,comportamento
24.1.09
RIO - O caso da modelo capixaba Mariana Bridi, de 20 anos, internada em estado gravíssimo com quadro de infecção urinária que levou a complicações como a amputação de suas mãos e pés é raro em jovens, mas pode acontecer se o sistema imunológico do paciente estiver enfraquecido ou se o atendimento médico tiver sido errado ou demorado. Esta é a avaliação do médico Ricardo Lima, chefe do Centro Terapia Intensiva do Hospital Samaritano e membro efetivo da Sociedade Brasileira de Terapia Intensiva.
- Qualquer processo infeccioso começa quando bactérias liberam toxinas que atacam o organismo. O organismo começa a se defender, e esta defesa muitas vezes envolve a formação de pequenos trombos, ou obstruções nos vasos sanguíneos. Quando uma infecção se espalha pelo corpo e muitos trombos se formam, pode acontecer de o paciente entrar em sepse (infecção generalizada), e sofrer falência de órgãos. É mais comum ver uma falência dos pulmões ou dos rins. No caso desta jovem, houve primeiro a falência na circulação dos membros, o que levou à amputação das mãos e dos pés - explica Lima.
" Nos casos de infecção urinária, é muito importante fazer um exame de urina para identificar o tipo de bactéria e o melhor medicamento para o quadro "
Segundo o especialista, o quadro da modelo não é comum em jovens, que costumam ter bons vasos sanguíneos e um sistema imunológico mais eficiente para combater infecções. Para ele, o mais provável é que a modelo tenha demorado a receber um tratamento médico adequado. Como a infecção urinária é relativamente comum, principalmente em mulheres, ele alerta também que a demora em procurar atendimento médico dificulta o tratamento.
- Como é um quadro comum, muitas já partem para a automedicação porque acham que sabem qual o remédio que devem tomar. Porém, o organismo acaba ficando resistente aos antibióticos, e nem sempre o antibiótico usado em uma crise anterior serve para uma nova crise. Nos casos de infecção urinária, é muito importante fazer um exame de urina para identificar o tipo de bactéria e o melhor medicamento para o quadro - alerta o médico.
Ricardo Lima afirma que as complicações acontecem quando existe demora em se obter o tratamento adequado para o caso.
- Quanto mais demorado o diagnóstico, mais difícil o combate ao problema. As bactérias se espalham e ficam resistentes, aumentando a chance de complicações. Todo tratamento depende de três fatores: da defesa imunológica do paciente, da quantidade de germes no organismo, e do tipo de germe. Quanto mais resistente o germe, mais difícil o tratamento - completa.
O médico alerta que um especialista deve ser procurado assim que aparecerem os primeiros sintomas da doença. Eles costumam ser a urgência e a dificuldade para urinar, o sangue na urina, a febre e os calafrios.
- Quando o paciente sente dor na lombar, por exemplo, é sinal de que a infecção já subiu para os rins. O mais importante é procurar um médico no primeiro sinal de que há algo errado, e nunca tomar um medicamento sem o aval do especialista.


tags:
link do postPor anjoseguerreiros, às 08:03  comentar

pesquisar
 
colaboradores: carmen e maria celia

Janeiro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9





arquivos
visitas
blogs SAPO